Democracia é respeito à lei e aceitação da diversidade, diz FHC aos Jovens Líderes

Publicado em:

Democracia é respeito à lei, aceitação da diversidade, concessão de mandato a quem foi eleito, divisão e independência de poderes, participação e liberdade de expressão. A definição foi feita pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, em aula online para os Jovens Líderes e à Juventude do PSDB. Na reunião, que aconteceu nesta sexta-feira (3/7), ele fez um alerta: nem sempre, a aproximação de um regime autoritário é perceptível ou inclui um golpe formal. “As democracias podem morrer por dentro, quando não há respeito ao diferente”.

O presidente avaliou que o mundo está avançando para uma era mais contemporânea e tecnológica, que coloca em crise a democracia representativa e a capacidade de liderança dos partidos. “A política está custando a entender isso. As pessoas querem uma liderança, mas essa liderança não vem mais dos partidos, porque as pessoas têm a capacidade de se aglutinar sozinhas”, disse. “Não estou decretando a morte das organizações. Mas cabe às novas gerações trazer novas ideias, ideias contemporâneas, que sejam capazes de aglutinar”.

É preciso ter lado
À Juventude tucana, Fernando Henrique também defendeu o que chama de “centro radical”. Isso significa que um partido tem que ter lado, tem que ter posição, e essa escolha precisa ser clara, sem ser, necessariamente, excludente. “É preciso entender, por exemplo, que a questão mercado X Estado está mal colocada. Um não excluiu o outro”, disse.

Além disso, continua FHC, quem lidera precisa se expressar de forma compreensível e ter apoios, aliados. Exatamente o contrário do que faz hoje o governo federal. “O presidente não busca a inclusão, ele busca a exclusão. Ele governa contra isso, contra aquilo”, afirmou.

Agregar é ser contemporâneo
“É preciso ter consciência e um trabalho contínuo de coesão, chamar mais gente, gente de todos os lugares, de todos os lados. Agregar pessoas. Até que ponto o PSDB fará isso, depende de vocês”! O desafio, completou, é ser contemporâneo. “Bolsonaro tem uma visão limitada de mundo. Não agrega”.

Ainda de acordo com o presidente, a população espera que uma liderança abra caminho e transmita entusiasmo e segurança. A luta deve ser em função do interesse das pessoas, da humanidade. “Precisamos de um símbolo de como avançar de forma segura, de forma agregadora”, disse.

“A minha geração precisa passar o bastão para a de vocês, precisa abrir espaço. Vocês são capazes de criar no Brasil uma condição inovadora. E você precisam falar. Na política, o verbo conta. Empunhar as bandeiras e agregar a população. Os jovens farão isso”, concluiu.

Jovens Líderes
O Jovens Líderes reúne 36 novas lideranças do PSDB em um programa de formação política e capacitação para filiados entre 18 e 30 anos que desejam disputar as eleições municipais deste ano. Eles foram selecionados entre mais de mil inscritos de todo o país, em um processo que vem desde agosto de 2019. Além da disposição para disputar eleições pelo PSDB, foram avaliados os compromissos do candidato com os princípios e valores do partido, em especial, com a democracia e a garantia dos direitos individuais.

A live desta sexta-feira foi organizada pela Juventude do PSDB e coordenada pela presidente nacional do segmento, Júlia Jereissati. Aberta a  cem pessoas, a sala de reuniões online ficou lotada durante toda a palestra de FHC.

Os comentários estão desativados.

Cadastre-se e receba as novidades do ITV

Instituto Teotônio Vilela: SGAS 607 Bloco B Módulo 47 - Ed. Metrópolis - Sl 225 - Brasília - DF - CEP: 70200-670