Ṇo pararei de gritar: poemas reunidos РCarlos de Assump̤̣o (2020)

Publicado em:

Ao perfazer um arco de quase setenta anos de produção, Não pararei de gritar reúne poemas que tematizam, com coragem e urgência, a desigualdade racial brasileira. “Senhores/ O sangue dos meus avós/ Que corre nas minhas veias/ São gritos de rebeldia”, declara Carlos de Assumpção no emblemático “Protesto”. Escrito em 1956, o poema causou furor quando foi apresentado ao público pela primeira vez, na Associação Cultural do Negro, em São Paulo. Seus versos reescrevem a diáspora africana e denunciam um Brasil que traz na sua origem as marcas da injustiça, da desigualdade e da discriminação social. Décadas mais tarde, sua atualidade se mantém. Com dor e revolta, mas também com vitalidade e esperança na construção de um país mais justo, a poesia de Carlos de Assumpção é um testemunho poderoso sobre os tempos em que vivemos, um símbolo de luta contra o silenciamento e a opressão histórica.

Os comentários estão desativados.

Cadastre-se e receba as novidades do ITV

Instituto Teotônio Vilela: SGAS 607 Bloco B Módulo 47 - Ed. Metrópolis - Sl 225 - Brasília - DF - CEP: 70200-670