“Um sopro de renovação na vida partidária brasileira”, por Marcus Pestana

Publicado em:

Amanhã, domingo, 21 de novembro de 2021, um fato marcante e inovador ficará na história dos partidos políticos brasileiros. Pela primeira vez na vida democrática do país, um grande partido político escolherá seu candidato à presidência da República pelo voto livre e direto de quase 45 mil inscritos entre mandatários (vereadores, prefeitos, vices, deputados, senadores, governadores) e militantes. Foram realizados quatro grandes debates em parceria com O GLOBO e VALOR, Estado de São Paulo, Globonews e CNN. Em um país onde a tradição é que os partidos tenham comando centralizado, dirigidos por verdadeiros “donos” plenipotenciários, não é um fato trivial que deva ser banalizado.

Seguindo a larga tradição dos partidos americanos e europeus, o PSDB resolveu construir sua candidatura radicalizando a democracia interna e convocando suas bases a participar. Esperamos que esta seja uma experiência transformadora que inspire os demais partidos a renovar suas práticas.

Em 2018, o mote central da eleição foi um suposto confronto entre a “nova política” e a “velha política”. Hoje há um consenso nacional de que “o novo pelo novo” é um conceito vazio. O próprio governo federal entregou pouco de seus compromissos de campanha. O exemplo mais acabado de frustração da população com a chamada “nova política” talvez seja a experiência no Rio de Janeiro, envolvendo o ex-magistrado, político de carreira meteórica e governador afastado, Wilson Witzel. Casos decepcionantes ocorreram também em Tocantins, Amazonas e Santa Catarina. Felizmente, em Minas, o Governador Zema faz um trabalho honesto, sério e bem-intencionado. Governar bem não depende de figurinos maniqueístas e superficiais. A medida são os resultados.

Lembro-me sempre da velha raposa política mineira que ao ser questionada sobre sua idade avançada ironizou o adversário mais jovem: “Churchill, aos 75, levou os aliados à vitória contra o nazismo e salvou a democracia. Nero, aos 20, incendiou Roma”. O novo e o velho são conceitos relativos.

O PSDB com sua coragem e ousadia de exercitar verdadeiramente o novo, está alcançando todos os objetivos originais traçados por sua direção: i. construir o único caminho possível para a unidade partidária; ii. aumentar a visibilidade e o nível de conhecimento de seus pré-candidatos; iii. mobilizar militantes, vereadores, prefeitos, vices e deputados estaduais que nunca participaram das decisões nacionais; e, iv. lapidar uma visão de país e um programa de governo.

Muitos perguntam se as prévias não vão aguçar divergências e divisões. É uma visão distorcida de democracia que crê que jogando as diferenças para debaixo do tapete, a unidade e o partido saem fortalecidos. É a aposta na “paz dos cemitérios”. Na calmaria anestesiante. Democracia, ao contrário, é vida, é o debate aberto e franco das divergências, de forma bem conduzida e focada no avanço das propostas majoritárias.

Amanhã saberemos quem será o candidato do PSDB em 2022: Eduardo Leite ou João Dória. A partir daí, haverá um amplo diálogo com as forças democráticas, chegando à melhor chapa para enfrentar Lula e Bolsonaro e erguendo uma alternativa para recolocar o país nos trilhos e superar a atual polarização estéril. Mas as prévias do PSDB, por si, já terão sido uma enorme contribuição à revitalização da democracia brasileira.

(*) Economista e consultor do ITV, foi deputado federal pelo PSDB-MG

Últimas postagens

Instituto Teotônio Vilela: SGAS 607 Bloco B Módulo 47 - Ed. Metrópolis - Sl 225 - Brasília - DF - CEP: 70200-670