“Modismos e estrangeirismos na pandemia”, por Marcus Pestana

Publicado em:

Quando este artigo for publicado, infelizmente já teremos perdido para a COVID-19 oitenta e cinco mil vidas brasileiras. É preciso que a sociedade brasileira amadureça uma reflexão sobre porque somos um ponto totalmente fora da curva. Afinal, temos 2,7% da população mundial e totalizamos 13,5% das mortes. Algo de muito errado aconteceu dentro de nossas fronteiras.

Neste momento dramático, a arte e o humor têm sido um refúgio para atenuar o sofrimento coletivo. Como não chorar de rir com Bruno Mazzeo e seu “Diário de um Confinado”, ou com Marcelo Adnet e seu “Quarentena” ou ainda com a “Sala de Roteiro” de Antônio Prata, Fernando Meirelles e excepcional elenco? Como não se encantar com os shows virtuais de Milton Nascimento, Mônica Salmaso e tantos outros ou com a descoberta de novos talentos como Vanessa Moreno? Ou mesmo com a preguiça inteligente de Caetano Veloso em gravar a sua participação? Ainda bem que, no presente caso, a arte não imita a vida.

Tenho falado de assuntos áridos. Mas hoje resolvi compartilhar certo incômodo pessoal com os modismos e estrangeirismos destes tempos de pandemia.

Confesso que sinto certo frio na coluna quando ouço alguém falar sobre o “novo normal”. Mesmo as grandes rupturas históricas produziram mudanças imediatas no arranjo do poder ou na estruturação da economia. Mas quando falamos de mudanças comportamentais, sociais e culturais, o buraco é mais embaixo. Não estou convencido de que haverá um “novo normal” com pessoas mais solidárias e um mundo mais globalmente fraterno.

Os estrangeirismos também me incomodam. Não chego ao ponto de meu ex-colega na Câmara de Deputados, Aldo Rebelo, que apresentou o Projeto de Lei 1676/1999, visando à proteção e defesa do uso da Língua Portuguesa.

Certo dia estava sendo convidado para uma reunião virtual de trabalho e meu colega disse que me mandaria um “invite”. Pedi que me enviasse um convite, porque apesar de meu “iPhone” e meu “iPad” serem projetados pela Apple nos EUA e fabricados na China, eram nacionalistas e só reconheceriam um convite e não um “invite”. A reunião perderia certamente qualidade se não fosse realizada no “Microsoft Team” ou no “Gloogle Meet”, e sim no “Brasil Equipe” ou no “Encontro Verde e Amarelo”.

Os shows – já um americanismo – programados pela internet estampam destacado “LIVE” com fulano de tal. Talvez perdessem charme e graça se fossem simplesmente “AO VIVO”.

Meu Flamengo foi campeão carioca de 2020 e assisti pela FLATV no “Youtube”. Talvez fosse menos emocionante se fosse transmitido pelo “Você no Tubo”.

Com o isolamento social e o fechamento de bares e restaurantes tivemos que nos habituar a fazer pedidos pelo “iFood” ou pelo “UberEats” ou usar o redimensionado “Drive Thru” ou o “Take off”. Seria sem graça se fosse pelo “Através do carro” ou no digamos “Tirar no desligado”. Até o “Drive In” em desuso foi ressuscitado, já que cinemas e teatros estão fechados.

E a proliferação de “Webnares”. O brilho seria outro se fossem simples “Debates virtuais”. E os “Dashboards”, “Links” e “QR Codes” que invadiram nosso cotidiano. Isso sem falar no fantasma do “Lockdown”, o vírus teria menos medo se fosse um trivial “Confinamento”.

Sou um apaixonado pela língua de Camões, Fernando Pessoa, Guimarães, Machado, Drummond e Chico Buarque. Será que ela terá espaço no “novo normal”?

(*) Economista, foi deputado federal pelo PSDB-MG

Os comentários estão desativados.

Cadastre-se e receba as novidades do ITV

Instituto Teotônio Vilela: SGAS 607 Bloco B Módulo 47 - Ed. Metrópolis - Sl 225 - Brasília - DF - CEP: 70200-670