Reformas Estruturais
PSDB tem que pensar em resolver as questões do Brasil, afirma FHC
14 de Junho de 2017

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do PSDB, afirmou em entrevista ao jornal "Valor Econômico" que a decisão do partido de permanecer na base de apoio do governo foi tomada por “cautela”, de forma a garantir a continuidade das importantes reformas que deverão ser votadas pelo Congresso Nacional. “Temos responsabilidades e apoiamos um governo que está fazendo reformas. Se formos embora pode complicar mais do que ajudar. O que acontece quando um partido sai de repente? Cria mais dificuldades”, explicou. Na terça-feira (13), o ex-presidente participou de seminário sobre produtividade e competitividade promovido pelo Instituto FHC, na capital paulista.

Fernando Henrique rechaçou a ideia de que o apoio do PSDB ao governo peemedebista esteja vinculado a uma possível aliança em 2018. “Não tenho plano eleitoral nenhum. O PSDB não tem que pensar em eleição. Eleição é em 2018. Agora tem que pensar em como se resolvem as questões do Brasil”, considerou.

O tucano acrescentou que, como disse o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), o apoio estará condicionado ao não surgimento de novas denúncias contra o governo federal. “É preciso que haja o carimbo da Justiça para que possamos dizer: é verdade. A cada dia [surge] um rumor novo. Não posso guiar politicamente o partido em função de rumores”, avaliou. “Acho também que tudo está condicionado ao que vier a acontecer. Havendo algum pronunciamento da Justiça não há o que defender”.


O ex-presidente criticou ainda o atual sistema político “esgotado”, e disse que é preciso fortalecer as instituições. “Ou se refaz ou vamos deixar o risco de Brasil que eleja pessoas que não deem conta do recado”, constatou. “A preocupação eleitoral não deve primar sobre nada. Com o grau de insatisfação popular, a população sabe Deus em quem vai votar. Isso é um perigo. Abre espaço efetivamente para aventureiros, salvadores da pátria”, completou.

Leia AQUI a matéria do Valor e assista à entrevista de FHC

Comentários