Reforma Política
PSDB existe para defender a política como meio de luta pelo bem comum, diz Jorge da Cunha Lima
08 de Outubro de 2016
Fundador do PSDB, o escritor e jornalista relembra os valores que nortearam a criação do partido por nomes como Montoro, Covas e FHC: a vocação do homem para a política, a compreensão da política como ciência, arte e prática do bem comum e a ideia de uma República que seja de fato para todos

 

O bom desempenho do PSDB nas eleições municipais de 2016 foi um voto de confiança dos brasileiros no jeito tucano de governar, que une responsabilidade fiscal e justiça social. Com essa expressiva vitória, os valores da social-democracia ganharam centralidade nos debates do partido, assim como a recuperação do prestígio da atividade política.
 

O processo de impeachment e a Operação Lava Jato trouxeram à tona um forte sentimento de descrença nos partidos. Deste modo, é preciso reformar não só o sistema político, como defende o PSDB por meio da PEC 36, mas recuperar a própria imagem da atividade política como forma legítima de construção das soluções para os problemas sociais e econômicos do Brasil. Também é fundamental manter o partido em constante diálogo com a sociedade, sem abrir mão de seus princípios sociais-democratas.
 

Em entrevista ao Portal do ITV, o jornalista e escritor Jorge da Cunha Lima lembra que a vertente da social-democracia que orientou a formação do PSDB não pauta a construção de riqueza no individualismo, nem na acumulação de capitais para produzir o rentista, mas na produção de riqueza para a sociedade. Ele também reforça que a vocação do homem é, antes de engenheiro, professor, advogado, para a política, e que a política é o exercício do bem comum.

Um dos fundadores do PSDB ligado à ala cristã liderada por Franco Montoro, de quem foi secretário de Estado de Comunicação e Cultura, Cunha Lima analisa a gênese humana e ideológica do partido e expõe os fatores que, na sua visão, devem ser levados em conta para uma plataforma renovada e adaptada ao mundo moderno a ser defendida pelo PSDB. Assista aqui à entrevista exclusiva concedida ao ITV.
 


Comentários