Reforma Política
Deputado tucano inova ao promover concurso público para seleção de assessores em Alagoas
22 de Junho de 2017
Filho da deputada federal Ceci Cunha, assassinada a mando do suplente em 1998, Rodrigo Cunha adota novas ferramentas para o exercício do mandato parlamentar e desponta na Assembleia Legislativa de seu estado


"Aprendi dentro de casa o que é política. Eu senti o que de pior a política pode proporcionar, mas também aprendi o melhor do que a política pode fazer", conta o deputado estadual alagoano Rodrigo Cunha, ao explicar as razões que o levaram à política, mesmo depois do trágico episódio conhecido como "Chacina da Gruta".

Em 1998, a mãe dele, Ceci Cunha, deputada federal pelo PSDB de Alagoas, e o marido foram assassinados pelo suplente da parlamentar, após a diplomação pelo segundo mandato consecutivo. Apenas em 2012 os assassinos foram julgados e condenados a 103 anos de prisão.

Dois anos depois, Rodrigo Cunha estreia na política com um objetivo desafiador: motivar, por meio de seu exemplo e coragem, a entrada de cada vez mais pessoas para a política. "Existe muito político que não presta, mas a política é bonita, é necessária, e somente através dela mudamos a realidade de uma cidade, um estado ou um país", afirma.

Em entrevista ao ITV, o deputado estadual mostra como fazer a diferença no exercício do mandato parlamentar com medidas voltadas à meritocracia, à eficiência e ao interesse coletivo. Uma de suas principais ações foi realizar um concurso público para a contratação dos funcionários de gabinete. Para tanto, Rodrigo Cunha contratou um instituto, especializado em aplicar vestibulares, para aplicar um exame e classificar os profissionais de melhor desempenho.

"Nunca perguntei se as pessoas que trabalham comigo votaram em mim ou em qual partido eram filiadas. Hoje formamos um time inovador, criativo, que está para colaborar com o mandato", afirma Rodrigo Cunha.

Assista aqui à entrevista e saiba mais sobre a forma inovadora com a qual o tucano Rodrigo Cunha exerce o mandato na Assembleia Legislativa de Alagoas.

Comentários