Inclusão Social
Mudanças no mundo do emprego exigem prioridade à educação, diz José Aníbal durante evento do ITV em Votuporanga
10 de Novembro de 2017
O presidente nacional do Instituto Teotônio Vilela (ITV), José Aníbal, esteve em Votuporanga (SP) nesta quinta-feira (9), para participar do ciclo de palestras “A revolução no mundo do emprego - desafios e oportunidades de carreira no novo mercado de trabalho”. O evento, dirigido aos alunos dos cursos de Administração, Engenharia da Produção e Contabilidade - ligados ao empreendedorismo, foi organizado pelo deputado estadual Carlão Pignatari, ITV-SP e a UNIFEV (Centro Universitário de Votuporanga), e realizado no auditório da Cidade Universitária.

Além de José Aníbal, palestraram no encontro o deputado Carlão Pignatari, o professor da UNIFEV Osvaldo Gastaldon, o ex-prefeito de Votuporanga Junior Marão, a analista de cultura empreendedora do Sebrae, Carla Karina Bussoloti, e o empresário Euclides Facchini Filho.

Segundo o presidente do ITV, com o advento da “Quarta Revolução”, onde o mercado de trabalho está cada vez mais dominado pela automação por meio da eletrônica, robótica e programação, é salutar realizar seminários que debatam o futuro e apontem estratégias de carreira e novos caminhos aos jovens que estão começando a trabalhar.

Aníbal disse que não há limites para as novas tecnologias e a inteligência artificial, mas é preciso investir cada vez mais em educação para que esse novo tipo de emprego seja assumido pelas pessoas. “Estamos nos tornando cada vez mais uma sociedade com mais tempo de trabalho intelectual e menos tempo braçal. É imperativo investir em pesquisa, inovação, que interajam com as novas tecnologias. A quarta revolução cria múltiplas possibilidades de atuação.”

Para ele, um bom exemplo a ser seguido pelo Brasil é o da Coreia do Sul. “Há 40 anos, a renda per capita sul-coreana era metade da brasileira, hoje em dia é de quase quatro vezes mais. Eles só chegaram a esse nível de desenvolvimento através de investimentos formidáveis em educação”, afirmou José Aníbal.



Capacidade criativa
O professor Osvaldo Gastaldon falou logo depois de José Aníbal e focou sua palestra em três pontos: O que mudou? - citando a quase extinção de algumas profissões; O que está mudando? – a tecnologia está tomando os espaços, então o que virá por aí?; e finalmente, O que não muda – destacando o lado humano, a pessoa, criatividade, inovação. "A capacidade de criação não será substituída", arrematou.

O ex-prefeito Junior Marão abordou a visão do Poder Público. Explicou que a maior dificuldade é atrair empresas para a região. "Quando algumas dessas empresas resolvem vir para cá, elas preferem se instalar no Mato Grosso do Sul, para pagar menos imposto, é a chamada guerra fiscal".

O ex-prefeito ainda citou o Centro de Inovação Tecnológica criado por ele, voltado para as áreas de móveis, uma das vocações de Votuporanga e região; borracha, por ser a região a maior produtora de látex do Brasil; e geração de energia solar. Lembrou ainda que a cidade possui diversas escolas de ensino técnico profissionalizante: Senac, Senai, IFSP, Etec e CTMO, além da Unifev, que é a maior instituição de ensino superior da região.

A visão da iniciativa privada foi exposta pelo empresário Euclides Facchini Filho. Para ele, a robótica e a informática não estão tomando empregos, mas substituem o trabalho insalubre, exemplificando com os setores de solda e pintura de sua empresa, cujos trabalhadores eram expostos a perigos causados pelo calor, radiação e gases.

Facchini, entretanto, recomendou que as pessoas devem fazer o que gostam. "Não interessa a formação. Tem gente de formação diversa do que faz. Quem tem o privilégio de fazer o que gosta é muito feliz. Nossa formação acadêmica é para nos fazer pensar, questionar e mudar as coisas". Encerrando, disse que o mundo é dinâmico, porém a essência do ser humano permanece.

A visão técnica ficou por conta da analista de cultura empreendedora do Sebrae, Carla Karina Bussoloti, que falou sobre os desafios do (novo) mercado de trabalho, empreendedorismo e inovação. Segundo ela, na visão do Sebrae, empreendedorismo é um conjunto de comportamentos e hábitos que pode ser trabalhado, adquirido e praticado. "Empreender é a forma que cada um encara os desafios e busca fazer o que gosta", afirmou.

Comentários