Infraestrutura
ITV e PSDB debatem mobilidade urbana e cenário nacional em encontro no Recife
28 de Novembro de 2015
O Instituto Teotônio Vilela (ITV) e o PSDB realizaram, na sexta-feira (27/11), em Recife (PE), o Encontro Regional "Caminhos para o Nordeste", com debates sobre "mobilidade urbana" e o cenário político e econômico do país. O evento faz parte da comemoração dos 20 anos de fundação do Instituto, que é o centro de estudos e formação política do PSDB. Estiveram presentes o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, o presidente nacional do ITV, José Aníbal, o presidente do diretório estadual do PSDB em Pernambuco, Antônio Morais, o presidente do PSDB no Recife, vereador André Régis, os deputados federais Bruno Araújo, Betinho Gomes, Daniel Coelho, Raimundo Gomes de Matos e Mendonça Filho, além de prefeitos e lideranças locais tucanas e de outros partidos de oposiçao. O palestrante convidado foi o consultor Frederico Bussinger.

Imobilidade
Em sua palestra, Bussinger, que foi secretário de Transportes de São Paulo e secretário executivo do Ministério dos Transportes, afirmou que as grandes cidades vivem hoje uma situação de "imobilidade", indicando que "se continuarmos neste caminho, não teremos saída".Frederico Bussinger "Estamos num momento de passar o Brasil a limpo e estamos também na antevéspera de novas eleições municipais, quando o tema da mobilidade urbana será, certamente, muito cobrado. Um alerta necessário: estamos diante de um tema muito complexo e temos improvisado muito. Estamos sempre encantados com as tecnologias, mas não sabemos se elas, de fato, vão resolver nossos problemas. Essa idéia de planejamento feito em bancadas e escritórios está equivocada", disse.Segundo ele, a questão deve ser vista sob quatro aspectos. O primeiro deles é que a mobilidade é inerente à existência e ao funcionamento das cidades. "A cidade é um enorme ser vivo, que tem metabolismo próprio. Desse 'ser', fazem parte todos o fluxos: de pessoas, de cargas, de serviços e de informação. A cidade está em movimento; e os planos diretores não podem ser estáticos", afirmou.

Outro aspecto da mobilidade urbana é o econômico, pois essa questão está diretamente ligada às decisões sobre investimentos e à produtividade das pessoas. "O modo como estamos organizados gera um número enorme de deslocamentos, de longos deslocamentos e, até, de viagens desnecessárias", alertou Bussinger, citando o exemplo de Recife, onde 31,5% dos trabalhadores vem diariamente de outras cidades - 280 mil pessoas trabalham na capital pernambucana, mas moram fora dela. No caso de São Paulo, afirmou o consultor, o impacto dos deslocamentos chega a 10% do PIB; e em todo o Brasil, 3%."Também precisamos pensar a mobilidade sob o aspecto do meio ambiente. O setor de transportes é responsável, na média mundial, por 23% das emissões de gases de efeito estufa. No Brasil, esse índice chega a 42%", destacou Bussinger. Segundo ele, isso ocorre, sobretudo, porque o transporte rodoviário corresponde a 62% do modal brasileiro. O quarto aspecto, disse Bussinger, diz respeito à segurança. "Segurança depende de presença do Estado; e presença do Estado depende de mobilidade", confirmou."Há saídas para esse problema. Elas exigem que o planejamento urbano seja orientado pela mobilidade e não, o contrário. Também precisamos tratar conjuntamente mobilidade e logística, pois elas convivem no espaço urbano. Um caminhão que sai da rua, por exemplo, por estar vazio e significar uma viagem inútil, é um benefício sob o ponto de vista econômico, mas também é um benefício para o pedestre, para o ciclista e para o motorista do carro", disse.Segundo ele, nos grandes países do mundo, a logística é fator critico de sucesso, mas o Brasil, sob esse ponto de vista, tem piorado cada vez mais. "É reducionismo pensar logística apenas como serviço de transporte, ou como serviço de infraestrutura, ou como apenas infraestrutura. Ela é mais abrangente. Inclui, entre outros aspectos, articulação intermodal, sistema tributário, segurança, serviços associados e distribuição espacial", explicou o consultor."No Brasil, também deixamos de lado o modal hidroviário, que poderia transportar cerca de 30 milhões de toneladas por ano. E é instintivo: o uso da navegação reduz o uso do transporte rodoviário. Paris é um bom exemplo disso", destacou Bussinger."Por fim, precisamos de inversões preciosas, partindo do problema a ser resolvido e, não da idéia ou da tecnologia que nos encanta. Precisamos prever as conexões de mobilidade e logística. Precisamos de menos planos e mais planejamento, no sentido de uma pactuação com a sociedade. Do contrário, nossas cidades ficarão cada vez mais travadas", completou.

Projeto do PT é manter-se no poder por mais algum tempo
Em seu discurso, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, afirmou que o Brasil vive hoje uma crise social de dimensões graves, e que pode se aprofundar ainda mais no futuro. "Não temos mais no Brasil uma crise econômica. Não temos apenas no Brasil, como se isso fosse pouco, e não é, a mais grave crise moral da nossa história democrática. Nós temos hoje uma crise social de dimensões extremamente graves e que, infelizmente, se aprofundará ainda mais nos próximos meses", disse.O presidente tucano voltou a criticar a distribuição de ministérios e cargos federais pelo governo em troca de votos da base aliada no Congresso Nacional. "O projeto de governo do PT hoje é apenas um: manter-se no poder por mais algum tempo, custe o que custar. Distribua-se o que for necessário de cargos, de vantagens, de emendas, mas nem isso vai ser suficiente, na minha avaliação, para que a presidente Dilma conclua o seu mandato. Porque há algo mais forte, algo que se impõe com muito maior vigor, que é a realidade da vida das pessoas", avaliou Aécio.

Ele destacou que o governo da presidente Dilma Rousseff erra ao compreender a pobreza apenas na vertente da privação da renda, deixando de lado importantes políticas na área da educação, da qualificação profissional, da saúde básica, da economia. "Não compreender a pobreza como um conjunto de privações, na verdade é ter uma visão míope e que permite apenas a administração diária dela, e é o que o PSDB sempre se negou a fazer. Queremos políticas públicas que nos permitam a superação definitiva da pobreza", salientou.

Para o senador, a questão da mobilidade urbana é um dos maiores desafios do Brasil contemporâneo. "Esse desafio não foi enfrentado por esse governo. Ao contrário, tivemos uma grande ilusão em relação ao anúncio conjunto de investimentos que deveriam ter sido feitos pelo governo federal, mas acabaram não sendo feitos. Fomos na contramão, ao longo desses últimos anos, do que o mundo civilizado propunha e na verdade cumpria, estimulando o transporte individual, do ponto de vista ambiental com todas as suas perversas consequências. Hoje não há uma cidade média, e principalmente grande no Brasil, que não tenha um nó, muitos deles difíceis de ser superados, e Recife é uma dessas cidades, na questão da mobilidade", avaliou.

Para Aécio, a iniciativa do PSDB de debater o tema mostra de forma muito clara a preocupação do partido com o futuro do país, e evidencia a legenda como a principal alternativa à irresponsabilidade que permeia o atual governo, e que vem "infelicitando o Brasil inteiro". "Consolidamos o nosso papel como essa alternativa qualificada, preparada, experiente e corajosa para que esse ciclo perverso de governo do PT possa ser substituído por um outro virtuoso ciclo, onde a ética e a eficiência possam caminhar juntas", completou.

O Brasil quer olhar adiante
O presidente nacional do ITV, José Aníbal, ressaltou a importância dos encontros promovidos este ano pelo Instituto. "O ITV é um instituto de formulação, elaboração, comunicação. Estamos passando por um momento muito estimulante com a promoção desses encontros Brasil afora. Estamos otimistas e iremos intensificar nossas reuniões e comunicação com a sociedade", afirmou."Tema e interesse não nos faltam, queremos fazer 30 encontros no ano que vem, 6 por região. Vamos durante nossas reuniões associar amigos, simpatizantes, filiados do partido, conversar, elaborar propostas e atualizar nosso programa. A intenção e o propósito são esses. O que o Brasil quer é olhar adiante, ter um horizonte", complementou o presidente do ITV.Sobre o encontro no Recife, ele destacou a relevância do tema mobilidade para toda grande cidade do país. "Investir em mobilidade urbana e transporte de qualidade tem que ser prioridade de todo governo. Em São Paulo, por exemplo, são 15 milhões de pessoas se deslocando diariamente. 7,8 milhões em metrô e trem e 7,2 milhões nos outros modais - ônibus, carro, bicicleta, a pé. É um grande e bom desafio discutirmos e avançarmos sobre essa questão", concluiu José Aníbal. 

Iniciativas do ITV são de grande importância
Os tucanos de Pernambuco fizeram questão de ressaltar a importância da iniciativa do ITV de levar às várias regiões do país discussões sobre assuntos de relevância para o Brasil. O presidente do PSDB do Recife, vereador André Régis, acredita que os debates do ITV são um estímulo aos brasileiros que desejam deixar a posição de apenas 'reclamantes' dos problemas que aflingem o país e pretendem participar diretamento do processo de mudança.

"O ITV é o espaço onde a gente pensa, onde a gente formula, onde a gente aponta caminhos para o futuro. É importante que encontros como esses levem pessoas que não têm vontade de ficar apenas reclamando, mas pretendem participar do processo político diretamente. Que elas cheguem ao nosso partido para que possamos superar essa triste etapa do nosso país, em que uma cleptocracia tomou conta de Brasília e fez com que tenhamos hoje escassez de recursos para todas as áreas", disse Régis.

O deputado federal Daniel Coelho (PSDB-PE) entende que a movimentação que o ITV promove pelo país só reforça a condição do PSDB de se apresentar como alternativa ao governo do PT, porque revela um partido que não se conforma em ser apenas o contraponto aos petistas, mas também se preocupa em ser "propositivo"."O PSDB tem conteúdo, sabe criticar o que está errado mas também sabe apontar solução. Trazer o debate da mobilidade para o Recife tem um simbolismo muito grande. Dos problemas urbanos que o Brasil vive, e que terminam sendo comuns a diversos estados, a questão da mobilidade talvez tenha uma gravidade maior no Recife. Uma cidade geograficamente pequena, que cresceu sem planejamento, e que por isso está completamente estrangulada. Então é importante que seja feita essa discussão, apontando para o futuro. Não tenho dúvida de que essa contribuição do ITV será essencial no debate no ano que vem", aposta o tucano.

Para o deputado federal Betinho Gomes (PSDB-PE), o PSDB tem a obrigação - como partido de oposição - de não apenas fazer a crítica, mas apontar soluções. E o Instituto Teotonio Vilela, na avaliação do tucano, dá enorme contribuição nesse sentido com a iniciativa dos encontros que vem realizando pelo país.

"O ITV tem um papel central nesse movimento de reconstrução de ideias em favor de um Brasil que queremos: um Brasil que gere oportunidades, que resolva os problemas graves da sociedade, e por isso esse encontro é muito especial. Eu tenho acompanhado essa grande mobilização que o partido vem fazendo, sob à orientação do presidente nacional Aécio Neves com a organização do ITV, para chamar a sociedade ao debate em favor do Brasil".O líder da Minoria na Câmara, deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE), ressaltou que os encontros promovidos pelo ITV são a prova de que o PSDB cumpre com seu "mais nobre objetivo" - definido pela Constituição aos partidos políticos - que é o de ter um Instituto "que colabora e faz pensar".

"No PSDB isso de fato acontece. Sob à presidência de José Aníbal, com orientação do presidente Aécio Neves, nós temos visto no Brasil as mais importantes discussões no sentido de fomentar o pensamento, o contraditório e colher da sociedade os elementos necessários. Não é a toa que vimos hoje o quanto a população tem afeição absolutamente diferenciada pelo PSDB", frisou Araújo.Prefeito de Jaboatão dos Guararapes, cidade da Região Metropolitana do Recife, Elias Gomes destacou que a iniciativa do ITV proporciona aos agentes públicos uma reflexão em torno de um dos maiores desafios das metrópoles que é o problema da mobilidade.

Joaquim Francisco, presidente do ITV-PE, e Elias Gomes, prefeito de Jaboatão"A abordagem da mobilidade de forma isolada não responde aos desafios, visto que é necessário na verdade pensar uma política urbana, uma espécie de estatuto da metrópole que impõe sairmos dessa visão segmentada de que cada cidade tem de apresentar seu plano de mobilidade. Se cada cidade falar sua linguagem, sem se encontrar com as demais, não haverá resposta ao problema. Nós não temos mais a cidade do Recife, a cidade de Jaboatão, etc. Nós temos uma metrópole de 14 cidades (se referindo ao conjunto de municípios que formam a Região Metropolitana) que exige uma nova governança", alertou Elias Gomes.

O presidente do Instituto Teotonio Vilela de Pernambuco, Joaquim Francisco, defendeu que as discussões em torno da mobilidade urbana não devem apenas apontar para alternativas às práticas em vigência. Precisam incluir como ponto fundamental a responsabilidade com a manutenção do que está em uso, uma cultura, segundo ele, deficiente hoje em todo o Brasil.

"Uma contribuição que poderia ser dada pelo ITV seria a gente incluir na pauta a engenharia de manutenção. Nós temos hoje um metrô no Recife que interliga 4 cidades e poderia ter a capacidade de transportar 600 mil passageiros/dia, mas transporta 400 por falta de manutenção. Então é preciso introduzir na abordagem da mobilidade a responsabilidade com os equipamentos que estão em funcionamento. É importante colocar esse elemento cultural, hoje deficiente na maneira de pensar na maioria dos estados e municípios, que é o desprezo pela manutenção", defendeu o presidente do ITV-PE.

Assessoria ITV/PSDBFotos: Gleyson Ramos

Comentários