Infraestrutura
Brasil vive na idade média em termos de esgotamento sanitário, afirma Tasso em entrevista à TV Senado
21 de Maio de 2019
O presidente do ITV, senador Tasso Jereissati, reafirmou a importância das alterações no Marco Legal do Saneamento Básico, previstas na MP 868/18, para levar esgoto tratado a mais de 100 milhões de brasileiros que ainda vivem sem esse serviço. Em entrevista à TV Senado, ele afirmou que o país ainda está na "idade média" em termos de esgotamento sanitário.

Tasso foi relator da MP na comissão especial que discutiu o tema no Senado. O texto, aprovado na forma do substitutivo de sua autoria, segue agora para votação no plenário da Casa. "Este foi o mais importante tema que tive a oportunidade de relatar e defender aqui no Congresso", disse.

Na entrevista, o senador ressaltou que a grande virtude da MP é não deixar a situação como está. Estima-se que 4 mil municípios brasileiros ainda não disponham de tratamento de esgoto. Segundo Tasso, em que pese a boa atuação das companhias estaduais, os investimentos feitos por elas mostraram-se insuficientes. A solução, afirmou, é permitir que a iniciativa privada também atue no setor, conforme previsto no texto.

"Se quisermos alcançar 80% da população com saneamento, precisaremos investir R$ 500 bilhões. O setor público não tem essa capacidade. Para atingir esse objetivo, vamos precisar de investimentos privados", explicou.

Tasso afirmou ainda que o novo Marco Legal do Saneamento terá dispositivos para que as empresas não invistam apenas em regiões consideradas lucrativas. "Há no texto uma série de condições para evitar que isso aconteça. São regras para que os lotes de licitação incluam áreas mais e menos rentáveis", disse. "Se quiser arrematar o filé, terá de arrematar também o osso", concluiu.

Confira a íntegra da entrevista

Comentários