Inclusão Social
Ministra dos Direitos Humanos define como prioridade da pasta a defesa aos idosos, crianças e adolescentes
20 de Fevereiro de 2017

Duas semanas após assumir o Ministério dos Direitos Humanos, a ministra Luislinda Valois destacou que as prioridades de sua gestão serão políticas públicas em defesa do idoso, da criança e adolescente, além do trabalho em torno dos direitos LGBT. A ministra também vai trabalhar em favor dos refugiados de guerra no país – como defendeu o presidente Michel Temer ao anunciar a importância da recriação da pasta, quando nomeou Luislinda para o cargo.

“Vamos instalar, o quanto antes, a Secretaria do Idoso. Porque o idoso está aí também precisando de muito apoio e nós vamos fazer isso o quanto antes. As pessoas precisam conhecer a nossa legislação. Todo mundo ouve falar do ECA, do Estatuto do Idoso, do Estatuto da Igualdade Racial, mas as vezes não tem em mãos. E é isso que nós vamos começar já na próxima semana para que todos saibam que a lei está aí e que a lei existe para ser cumprida", disse. "Vamos montar um projeto para socorrer os refugiados, sobretudo, as crianças, na sua maioria, órfãs. O problema dos refugiados é universal, e o Brasil não pode fugir disso", completou.


Filiada ao PSDB, a desembargadora aposentada atuava como secretária de Promoção da Igualdade Racial antes de assumir o Ministério dos Direitos Humanos. Em entrevista, Luislinda salientou a atuação do partido tucano na inclusão e melhoria da qualidade de vida das minorias.

“O PSDB tem atuado cotidianamente trabalhando pela inclusão e melhoria da qualidade de vida do povo brasileiro. Eu acho que o povo deve reconhecer que não é momento de a gente brigar por causa deste partido ou daquele, acolher esse ou aquele partido, e o PSDB está trabalhando neste sentido. O que o PSDB está procurando fazer é resolver as problemáticas que chegaram às suas mãos. O PSDB acolhe a todo mundo”, afirmou.

Luislinda Valois nasceu na Bahia e foi professora do Colégio Militar no Paraná, advogada militante do Estado da Bahia e procuradora do Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (DNER) antes de ingressar na magistratura. Ela foi primeira a proferir juíza a proferir uma sentença contra o racismo no país e uma das primeiras desembargadoras negras do Brasil. Em 2012, a desembargadora aposentada, tomou posse na Academia de Letras José de Alencar, em Curitiba, no Paraná.

Confira o que disse Luislinda Valois sobre as prioridades do Ministério dos Direitos Humanos

 


 

Comentários