Inclusão Social
Antonio Imbassahy assume Secretaria de Governo; Luislinda Valois é a nova ministra dos Direitos Humanos
03 de Fevereiro de 2017
Com as mudanças na estrutura do governo federal anunciadas pela Presidência da República, dois tucanos tomaram posse nesta sexta-feira (03/02) como membros do primeiro-escalão: o deputado federal Antonio Imbassahy (BA) vai comandar a Secretaria de Governo, com status de ministério, e a desembargadora Luislinda Valois é a nova ministra dos Direitos Humanos.

Articulação política
A Secretaria de Governo auxilia o Presidente da República na coordenação política e social, em especial no relacionamento com o Congresso Nacional, partidos políticos e na interlocução com Estados e municípios. Também é atribuição do órgão atuar na prevenção e gerenciamento de crises institucionais e na formulação de políticas de apoio a micro e pequenas empresas.


“Nós estamos aqui continuando essa contribuição que o PSDB dá ao país. E agora com esse honroso convite que o presidente Michel Temer me dirige, evidentemente que isso dá mais comprometimento não apenas do PSDB, mas daqueles que querem realmente que o Brasil avance com as reformas, com a modernização da nossa legislação. Essa é a nossa pauta: a pauta da reconstrução da economia nacional”, disse Imbassahy.

O primeiro desafio do ministro da Secretaria de Governo será buscar um consenso em relação a uma das principais reformas que serão analisadas pelo Congresso: a reforma da Previdência Social. “A Câmara é a Casa do debate. Foi feita uma proposta, muito bem elaborada pelo Executivo, ouvindo a ampla parte da sociedade civil organizada interessada no assunto, e cabe agora ao Congresso Nacional, mais especificamente à Câmara, abrir esse debate. As divergências todas vão ser colocadas e tenho certeza que se chegará a uma solução de interesse nacional”, destacou.

Antonio Imbassahy foi líder da bancada do PSDB na Câmara por dois períodos (2014 e 2016). No Parlamento, destacou-se não apenas por sua atuação na Liderança. O tucano foi, por exemplo, nome fundamental nas mobilizações em prol do impeachment de Dilma Rousseff e exerceu a vice-presidência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou a corrupção na Petrobras.

Fora do Parlamento, Imbassahy foi prefeito de Salvador por dois mandatos consecutivos, eleito pela primeira vez em 1996 e reeleito em 2000, com excelentes índices de aprovação. Antes, havia assumido o Governo do Estado da Bahia no início de 94 pela Assembleia Legislativa, exercendo o cargo durante oito meses. O tucano também foi presidente da Eletrobras e deputado estadual.

Diretos Humanos
Desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça da Bahia, Luislinda Valois foi a primeira juíza negra do Brasil, ainda em 1984. Nomeada agora para o recém-criado Ministério dos Direitos Humanos, a tucana, que já ocupava o cargo de secretária de Promoção da Igualdade Racial, disse que a nomeação de uma mulher negra para o alto escalão do governo mostra que atual gestão está determinada a transformar as questões sociais em prioridade.

"Para mim, só aumentou a responsabilidade. Mas eu não sei fugir da responsabilidade, sempre estou pronta para cumprir a minha missão. Principalmente vindo das pessoas que indicaram o meu nome, como o senador Aécio Neves, o ministro Alexandre de Moraes, da Justiça e Cidadania, o próprio presidente da República", afirmou.

A ministra disse que vai se empenhar para garantir que os direitos humanos tenham lugar de destaque nas políticas do governo, em vez de serem relegados ao segundo plano como foram durante os 13 anos de gestão petista. "Não vou me envaidecer. Vou procurar me doar muito mais porque nesse Brasil muito do foi feito foi puro marketing, que se fez durante anos. Agora, práticas e ações foram muito poucas", completou. 

Luislinda Valois é militante pelos direitos dos homossexuais, das religiões de matriz afro e das vítimas do tráfico de pessoas. Membro da Executiva Nacional do PSDB e autora dos livros "O negro no século 21" e "Negros pensadores do Brasil", Luislinda recebeu o título de embaixadora da paz da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2012.

Segurança Pública
Também ocupado pelo tucano Alexandre Moraes, o Ministério da Justiça ganhou novas atribuições e ampliou sua estrutura, passando a se chamar Ministério da Justiça e Segurança Pública. A intenção é reforçar as ações do Executivo neste setor. 

Comentários