Inclusão Social
"Governo do PT não deu importância às políticas públicas para os negros", afirma Juvenal Araújo, presidente do Tucanafro
12 de Maio de 2016

A escravidão no Brasil foi abolida há 128 anos, com a assinatura da Lei Áurea. Mas ainda vivemos em um país racista, onde os negros, embora sendo 52% da população, ainda não ocupam espaços de poder e, pior, são os que mais sofrem com a violência, o desemprego e a pobreza. 


“A cada quatro jovens assassinados, três são negros. Mais de 60% das mulheres assassinadas no Brasil são negras, jovens, pobres e que moram na periferia. O salário dos negros é de 36% menor. E expectativa de vida dele em relação à violência é menos da metade que a do não-negro no Brasil”, conta o presidente do Tucanafro, Juvenal Araújo.


Em entrevista ao Portal do ITV, ele afirma que o governo do PT não deu a devida importância às políticas de igualdade racial. Os dados, segundo Juvenal Araújo, mostram que o orçamento para a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (SEPI) em 2016 é menor que os gastos com “cafezinho” no Executivo Federal.


Para equalizar essa questão, o Tucanafro propõe uma atuação em três eixos no âmbito das cidades: a criação de um órgão institucional dentro de cada prefeitura para trabalhar as políticas públicas de igualdade racial; a criação da Frente Parlamentar de Promoção da Igualdade Racial, com apoio também das Câmaras Municipais; e a criação dos Conselhos Municipais de Promoção da Igualdade Racial. “Esses eixos estão sendo trabalhados sobretudo agora, com os pré-candidatos do PSDB às eleições municipais”, disse. No âmbito nacional, o Tucanafro defende a criação do Fundo Nacional de Promoção da Igualdade Racial, conforme já proposto pelo presidente do PSDB, Aécio Neves, em seu programa de governo nas últimas eleições presidenciais.

Confira a entrevista!

Comentários