Imprensa
Luiz Paulo Vellozo Lucas é o novo Presidente do ITV
19 de Março de 2014
Luiz Paulo Vellozo Lucas é o novo Presidente do ITV, em substituição ao Deputado Sérgio Guerra, falecido no dia 6 de março de 2014.
Nascido em Vitória, tem 57 anos, e é engenheiro de produção formado pela UFRJ, com pós-graduação em desenvolvimento econômico (BNDES) e economia industrial (UFRJ), funcionário do BNDES desde 1980, professor da PUC-RJ, e atualmente cedido ao Senado Federal.
Exerceu o mandato de Deputado Federal pelo PSDB-ES (2006-2010) e já foi presidente nacional do Instituto Teotônio Vilela (ITV) entre os anos 2007-2010.
Foi Prefeito de Vitória por dois mandatos consecutivos (1996-2000; 2000-2004), quando acumulou vários prêmios para a cidade durante a gestão, como o de Melhores Práticas em projetos sociais pela ONU-Habitat, pelo “Projeto Terra”, voltado para o combate à pobreza urbana, e que transformou a cidade em referência de governo local de qualidade, com melhoria significativa dos principais indicadores de qualidade de vida como IDH, renda per-capita, escolaridade e mortalidade infantil. Entre 2002/03, foi presidente da Frente Nacional de Prefeitos – FNP.
Também exerceu a função de Secretário de Planejamento na Gestão Paulo Hartung, na Prefeitura de Vitória, sendo responsável pelo Projeto Vitória do Futuro, o plano estratégico da cidade e sua Agenda 21 Local.
Foi Secretário de Planejamento e Ações Estratégicas e depois Secretário de Agricultura, no Governo do Estado do Espírito Santo, entre 1992 e 1994.
Também foi Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda no Governo Fernando Henrique Cardoso, entre 1995/1996, sendo responsável pela política de preços no primeiro aniversário do Plano Real.
Escreveu o livro “Qualicidades – Poder Local e Qualidade na Administração Pública”, um estudo voltado para o desenvolvimento sustentável e a reforma do Estado sob a ótica das cidades, publicado em 2006, que é,também, uma análise sobre as causas dos problemas urbanos e propostas práticas para solucioná-los.
Como professor da PUC-RJ desde a década de 80, participou e coordenou os "Cenários para a Economia Brasileira" e o "Plano Estratégico para o Sistema BNDES 1987-90", que consagraram o conceito da "Integração Competitiva" do Brasil na economia mundial como sendo a nova estratégia de desenvolvimento do país.
Foi, ainda, diretor do Departamento de Indústria e Comércio- DIC do Ministério da Economia Fazenda e Planejamento de 1990 a 1992, período em que coordenou a Política Industrial e de Comércio Exterior- PICE - que promoveu a abertura comercial, o fim da reserva de mercado da informática, criou o Programa de Qualidade e Produtividade –PBQP- entre outras medidas e programas voltados para a reestruturação competitiva da economia brasileira.

Comentários