"Governo do PT desmoralizou a reeleição", diz Aécio
01 de Junho de 2015
aecio_coletiva_interna2

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, voltou a defender o fim da reeleição para cargos do Poder Executivo. Aprovada em 1º turno na Câmara dos Deputados nesta semana, a emenda feita à PEC da reforma política acaba com a possibilidade de segundo mandato consecutivo para os cargos de presidente da República, governador e prefeito.

Em entrevista à imprensa, Aécio Neves afirmou que o PSDB trabalhará no Congresso para que a proposta, defendida por ele desde 2006, também seja aprovada no Senado. O texto ainda precisa ser votado em 2o. turno na Câmara antes de seguir para apreciação dos senadores.

Verbas públicas

“Acho que a presidente da República acabou por desmoralizar a reeleição. A utilização sem limites, irresponsável, diria criminosa, da máquina pública foi, a meu ver, um grande estímulo para que cerca de 400 parlamentares na Câmara dos Deputados votassem pelo fim da reeleição. Tivemos a experiência da reeleição. Não nos arrependemos dela, mas é preciso que tenhamos a capacidade de avaliar se foi boa e se foi ruim. Acho que o fim a reeleição neste momento permite o surgimento de novas lideranças políticas e impede o uso abusivo, repito, criminoso da máquina pública como ocorreu na campanha do PT”, afirmou.

O senador citou o uso feito pela campanha da candidata Dilma Rousseff da empresa dos Correios em São Paulo como exemplo de abuso cometido, conforme atestou o Tribunal de Contas da União. Ele citou ainda as chamadas pedaladas fiscais ocorridas na utilização de dinheiro dos bancos públicos para pagar despesas do governo e que são agora objeto da representação feita pelas oposições à Procuradoria Geral da República contra a presidente da República por prática de crime.

“O que foi feito com verbas públicas, com os bancos públicos que acabaram sustentando o Tesouro ou mascarando a situação fiscal do país, fazendo o que não poderiam fazer e que é hoje objeto de uma ação criminal contra a presidente da República. A utilização sem limites dos programas sociais. Programas como Seguro Defeso, que no ano anterior à eleição tinha investimentos de R$ 550 milhões, no ano da eleição de R$ 2,1 bilhões, agora não tem mais dinheiro. O FIES, no ano antes da eleição teve investimento de R$ 7,5 bilhões, no ano da eleição quase R$ 14 bilhões, agora tem 200 mil alunos na fila que não conseguem se cadastrar”, protestou.

Bandeira do PSDB

O presidente nacional do PSDB ressaltou que o fim da reeleição para prefeito, governador e presidente da República foi uma das propostas apresentadas pelo partido para a reforma política ainda em 2013, durante reunião da Executiva Nacional, em resposta às manifestações que tomaram as ruas do Brasil em junho daquele ano. Constou também entre os compromissos assumidos por ele no plano de governo apresentado na campanha presidencial.

“A executiva nacional do partido, no momento em que definiu os temas que o partido apoiaria na reforma política, colocou esse como um dos temas centrais, além do voto distrital misto, além do fim das coligações proporcionais, da cláusula de barreira. O fim da reeleição com um mandato de cinco anos é uma das propostas formais, oficiais do PSDB”, ressaltou o presidente tucano.

Comentários