Gestão Eficiente
Em Recife, ITV dá início ao ciclo 2016 do Curso de Formação para Pré-Candidatos
23 de Maio de 2016
O Instituto Teotonio Vilela (ITV) deu início, no sábado (21/05), em Recife (PE), ao ciclo 2016 do Curso de Formação Para Pré-Candidatos. Acompanhados por dezenas de filiados do PSDB, os módulos reuniram dicas sobre o melhor uso das redes sociais, noções de comunicação e marketing, as novas regras da legislação eleitoral e a importâncias da pesquisa nas eleições. Foram mais de quatro horas de palestras - com espaço para perguntas - proferidas por um time de profissionais especializados e experientes na condução de campanhas eleitorais em suas áreas de atuação.

Gustavo Kanffer, advogado do PSDB e especialista em Direito Eleitoral, esclareceu as novas regras da campanha deste ano, em função das mudanças promovidas pela mini-reforma eleitoral, ressaltando o cuidado redobrado com as inúmeras restrições que a lei impõe ao pleito de outubro. "Há mais restrições do que permissões. É preciso muita atenção com as mudanças e com a prestação de contas, o bicho papão dessa disputa", alertou.

O jornalista e consultor do ITV/PSDB, André Lacerda, falou sobre a comunicação e o marketing na campanha eleitoral. Entre os vários pontos abordados, Lacerda chamou a atenção para o "ambiente inóspito" da política nos dias de hoje que, aliado às limitações de custos e formato da campanha, exigirá ainda mais dos candidatos conteúdo e veracidades nas mensagens aos eleitores. "Essa não será a eleição do blefe, do chavão. O eleitor vai exigir dos candidatos mais conhecimento da realidade", pontuou.

A dupla formada pelo jornalista e consultor do ITV/PSDB, Fabiano Lana, e pelo cientista político Victor Diniz abordou o uso das redes sociais nas eleições. Partindo do princípio de que "rede social dá voto", a dupla passeou por todas as ferramentas - Facebook, Twitter, Instagran, Site, What's App e Snapchat - pontuando o que é positivo e negativo na forma de usá-las.

Por fim, o especialista Emanuelton Borges falou sobre um instrumento importantíssimo em campanha e bastante usado, principalmente, por candidatos majoritários: as pesquisas eleitorais. Frisou a importância das consultas quantitativas e qualitativas, o momento de se valer de cada uma, e apresentou exemplos de vitoriosas campanhas pernambucanas que foram impulsionadas por estratégias definidas a partir de orientação das pesquisas eleitorais.

A relevância do partido
Para o presidente do PSDB do Recife, vereador André Régis, que abriu o evento com o presidente do ITV-PE, o ex-governador Joaquim Francisco, entre os elementos importantes de uma campanha eleitoral está o "partido político". Além da mensagem, dos recursos e das circunstâncias alheias ao planejamento da campanha, estar filiado a um partido que tem marca e história consolidadas é de grande valia para o sucesso de um projeto político e eleitoral na avaliação de Régis. "E vocês são filiados a um dos maiores partidos da história do Brasil. Que tem uma marca consolidada de pessoas decentes, capazes, e que têm serviços prestados. Diferentemente de outros candidatos que não podem apresentar o partido ao qual pertencem, nós temos orgulho do passado que construímos e do futuro que estamos construindo pelo Brasil afora", destacou.

Bruno Araújo: fim da política é servir a sociedade
Presente ao evento, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, discursou sobre o atual momento político do país e destacou, mais uma vez, o papel relevante que o PSDB desempenha nesse contexto. Lembrou o tucano, que o partido se mantém, há 22 anos, como "protagonista" da política brasileira - ora liderando a oposição, ora o governo. Condições, segundo ele, resultantes das "qualificações" do PSDB que vêm desde a nomeação de Fernando Henrique Cardoso para o ministério da Fazenda - com o sucesso do Plano Real - e sua posterior eleição para a Presidência da República.

"Vinte e dois anos depois, incidentes nos tiram da posição de protagonistas da oposição e nos levam para um grande desafio, com o devido reconhecimento da população. O que fazer? Fazer o que é certo e falar com transparência. Nesse momento em que um conjunto de pessoas assumem a coragem pública de se dispor a apresentar seus nomes, e fortalecer os propósitos nos quais acreditamos, temos de dizer que contem conosco. Representamos o sentimento de esperança e temos a obrigação de mostrar que enxergamos a política com um único fim: o de servir à sociedade. Eventualmente, podemos errar. Mas a omissão não será nossa marca", pontuou o tucano.

O ministro fez um breve relato das dificuldades que tem encontrado na pasta das Cidades. Segundo ele, os recursos prometidos pelo governo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), e incluídos no orçamento atual, só permitirão a conclusão de obras inacabadas e de convênios assinados com prefeitos e governadores "daqui a 40 ou 50 anos".
"O Brasil não aceita mais isso. Além da corrupção, a sociedade não aceita a incapacidade, a incompetência, a falta de planejamento e, sobretudo, a falta de vergonha na cara", indignou-se. "Não temos como avançar, sem a clareza do que é de fato possível e cuidando do principal: trabalhar para o crescimento econômico e para resolver as condições econômicas das famílias brasileiras", finalizou.

"É preciso mostrar que podemos fazer diferente", diz Daniel Coelho
Com a experiência de duas eleições para vereador da capital pernambucana, o deputado federal Daniel Coelho afirmou que um candidato precisa entender o formato da disputa em jogo. "Se um candidato a prefeito tem estratégia de candidato a vereador ele perde a eleição, e vice-versa. Enquanto uma eleição majoritária (prefeito) trabalha em cima de opiniões da cidade como um todo, a de vereador é segmentada, o voto é um a um. Se trabalha segmentos, nichos, regiões da cidade e não o todo", alertou.

Ele chamou a atenção para postulantes a um cargo eletivo que entram na política "negando a política" e se apresentando como "salvadores da pátria". Uma estratégia equivocada, segundo o parlamentar, que "não convence absolutamente ninguém". "Quando você disputa uma eleição você passa a ser político também. Hoje a gente vive um momento de negação muito forte da política, mas querer bancar o herói e dizer que ninguém presta, que todos são corruptos e você é o único salvador da pátria, não convence absolutamente ninguém. A gente deve fazer críticas ao sistema, mas tem de mostrar às pessoas porque a gente pode fazer diferente", alertou.

Pré-candidato a prefeito nas eleições de outubro, Daniel Coelho acredita que, apesar do forte clima da política nacional, a disputa para prefeito tem características locais e a deste ano não será diferente. O tucano observa, inclusive em pesquisas internas, que o eleitor vai querer saber dos problemas da sua cidade, da sua rua.

Estiveram presentes ao Curso de Formação Para Pré-Candidatos - 2016, o presidente do PSDB de Pernambuco, deputado estadual Antônio Moraes; a presidente do PSDB Mulher-PE, Terezinha Nunes; a deputada estadual Raquel Lyra (pré-candidata a prefeita de Caruaru); e a secretária-executiva da Empetur, Izabel Urquiza (pré-candidata em Olinda); o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE) e o ex-governador e senador Cícero Lucena (PSDB-PB), diretor do ITV.

(*) Do PSDB-PE

Comentários