Educação
"Excelência na gestão da educação é investir num futuro melhor", por Johnny Roberty Bibe de Souza Oliveira
Johnny Roberty Bibe de Souza Oliveira
Johnny Roberty Bibe de Souza Oliveira
02 de Fevereiro de 2018
Cuidar da educação pública é uma tarefa tão prioritária quanto desafiadora. No Estado de São Paulo, há três décadas essa missão é cumprida com a participação da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE). Ligada à Secretaria de Estado da Educação, essa instituição foi fundada em 1987 e hoje é responsável pela manutenção das mais de 5 mil escolas da rede paulista, pela distribuição de kits escolares, suprimentos, mobiliário, computadores e impressoras, entre outras atribuições.

Ao longo desse período, a FDE acumulou experiência e estrutura para criar e implementar programas inovadores, obtendo excelentes resultados para a gestão pública. Para tanto, contou com a expertise trazida por pessoas como José Bernardo Ortiz, Barjas Negri e João Cury, para citar os presidentes com quem convivi nestes sete anos de trabalho na fundação. Em comum, foram ou são prefeitos de suas cidades, respectivamente Taubaté, Piracicaba e Botucatu, além de terem ocupado mandatos parlamentares e cargos no Executivo federal.

Uma das medidas da FDE que mais benefícios trouxe à gestão pública é a compra de suprimentos (papel sulfite, caneta, cola, cartuchos para impressora etc.) num sistema de compra igual ao utilizado pelos bancos, por meio do projeto Rede de Suprimentos. Racionalizar os processos de compras na administração pública é fundamental para dar eficiência e garantir o melhor uso possível do dinheiro dos contribuintes.

Desde o ano passado, após a publicação de um decreto estadual articulado pelo atual presidente do FDE, João Cury, as prefeituras paulistas podem participar das atas de registro de preços (ARPs) de todos os órgãos do Governo do Estado. Em vez de buscarem os fornecedores isoladamente, com menor quantidade, agora os municípios podem aproveitar os grandes volumes negociados pelo Estado e, com isso, conseguem obter melhores preços - medida sempre importante, e mais ainda em tempos de dificuldades fiscais e econômicas como o país vive.

A título de exemplo, um kit de material escolar licitado e distribuído para os mais de 4 milhões de alunos do Estado pela FDE custa aproximadamente R$ 30,00. Em pesquisas realizadas com alguns municípios, o preço de aquisição dos mesmos itens variou de R$ 50,00 a R$ 90,00. Com o decreto do governador Geraldo Alckmin, os municípios poderão reduzir os custos com os kits a até um terço do que gastavam antes, podendo realocar recursos para investimentos em outras demandas. O município de Taubaté está sendo pioneiro nesse novo modelo de parceria.

Além disso, a FDE coordena o Programa Escola da Família, de impacto social extremamente importante, ao dar vida às escolas nos fins de semana. Em muitos casos, está é a única opção de lazer e convívio das famílias.

No que tange a obras e reformas em escolas estaduais e na construção de creches em parceria com as prefeituras, a FDE realizou em 2017 mais de 2 mil intervenções em todo o Estado, o que representa mais de cinco obras por dia. Qual órgão público no Brasil licita cinco obras por dia?

O governador Geraldo Alckmin tem dado exemplos concretos de como administrar a coisa pública. Enquanto vários Estados estão com dificuldades enormes para arcar com os custos dos salários, São Paulo, além de pagar o funcionalismo em dia, faz investimentos nas mais diversas áreas, gerando emprego e renda para a população paulista.

Os desafios do setor público são enormes, mas, com boa gestão, otimização dos recursos e usando as ferramentas que possibilitam agilidade e qualidade de entrega, conseguiremos avançar e melhorar a vida das pessoas, cada vez mais.

(*) Assessor da Presidência da FDE desde janeiro de 2011 e coordenador do Instituto Teotônio Vilela na região do Vale do Paraíba

Comentários