Economia
José Aníbal: reformas são inevitáveis e têm apoio popular; responsabilidade fiscal e educação vão "decidir o futuro do Brasil"
11 de Novembro de 2016

O presidente nacional do ITV, senador José Aníbal, voltou a defender as propostas de um teto para os gastos públicos e de reformas da Previdência e do ensino médio. Segundo ele, a responsabilidade fiscal e a educação são temas que "decidirão o futuro do Brasil". Em pronunciamento no Plenário do Senado, Aníbal argumentou que as reformas são inevitáveis e têm apoio popular. Ele avalia que os eleitores se pronunciaram claramente contra as forças políticas "demagogas e patrimonialistas", que "depredaram o Estado brasileiro, elevaram a dívida pública e fizeram crescer o número de desempregados".

"O Brasil perdeu toda a credibilidade do ponto de vista do investidor. O poder público, o governo, não tem capacidade nenhuma de investimento, exaurido pela quebradeira que eles promoveram. Então, é preciso atrair confiança, credibilidade" afirmou.

Na avaliação de José Aníbal, a PEC do teto é o primeiro passo indispensável para essa reconstrução do Brasil, devendo ser seguida de outras ações importantes como a reforma da Previdência. "A PEC não é suficiente, mas é preciso que ela cumpra o seu papel de adequar os gastos do Estado à capacidade de pagamento de impostos da sociedade. Não é possível corrigir nosso déficit público com aumento de impostos. Os impostos que a sociedade já paga são bem além da média para um país de desenvolvimento médio como o Brasil", destacou.

O senador afirmou que a oposição finge estar preocupada com a qualidade da saúde e da educação, espalhando mentiras sobre a PEC do teto e dando a falsa ideia que os recursos para educação e saúde serão reduzidos. A verdade, confirmou, é que na saúde, haverá uma base muito maior do que a deste ano para o reajuste equivalente à inflação - 7%. "Nós devemos ter, no ano que vem, adicionalmente, na saúde pública no Brasil, R$20, R$22 bilhões de recursos a mais, o que é muito mais do que os 7% sobre R$100 bilhões, porque mudou o piso de 13,2% para 15% do orçamento destinado à saúde", explicou. "E, na educação, o piso é de 18%. Se quisermos colocar mais recursos, poderemos fazê-lo, por decisão soberana do Congresso na elaboração do Orçamento, retirando recursos".

José Aníbal disse ainda que é preciso corrigir as fontes de injustiça do atual sistema previdenciário, que hoje privilegia o setor público e "todos aqueles do setor público que recebem melhor e que conseguem se aposentar mais cedo". A aposentadoria do INSS, avaliou Aníbal, ainda que por uma questão de sustentabilidade do sistema precise ser levada a 65 anos, não produz um déficit tão elevado quanto a do setor público.

"Os mais pobres começam a trabalhar mais cedo, não conseguem juntar tempo de serviço formal e continuam se aposentando mais velhos. Estão todos no INSS. As aposentadorias precoces são um privilégio do setor público e dos setores mais bem remunerados", afirmou. "Quem disse que é contra o fim das aposentadorias precoces, porque está protegendo os mais pobres, está mentindo; está, na verdade, mantendo ou querendo manter um sistema de castas e privilégios", completou.



Assista à íntegra do pronunciamento
 

Leia 
Uma Votação A Favor do Brasil, artigo de José Aníbal sobre a PEC do Teto


 

Comentários