Reformas Estruturais
José Aníbal defende agenda do governo para reequilíbrio das contas públicas e retomada do crescimento
03 de Janeiro de 2017

O presidente do Instituto Teotônio Vilela, senador José Aníbal (PSDB-SP), defendeu os ajustes e medidas apresentados pelo governo federal que visam trazer, em 2017, o reequilíbrio das contas públicas e a retomada do crescimento econômico. No ano passado, o presidente Michel Temer e sua equipe apresentaram ao Congresso Nacional propostas de reforma previdenciária e ajuste fiscal para conter o avanço da dívida pública, além de uma proposição de reforma trabalhista para estimular a volta do emprego.


Para o tucano, o Brasil precisa superar o momento dramático pelo qual a economia passa, e o Congresso Nacional tem colaborado para a aprovação dessas reformas. "Conseguimos aprovar importantes matérias: Teto dos gastos públicos para acabar com a gastança irresponsável, nova lei de exploração do pré-sal, regras mais rígidas para a gestão das empresas públicas, a reforma da Previdência já tramita na Câmara, a reforma do Ensino Médio já foi aprovada na Câmara e agora será votada no Senado", exemplificou, ao fazer uma análise sobre os trabalhos do Congresso Nacional em 2016.

“Tem várias outras medidas e ajustes que precisam ser feitos e serão feitos. É uma questão de tempo. O Brasil vive um desafio dramático para voltar a crescer e gerar emprego. E no Congresso Nacional, tenho muita convicção do que vou dizer: estamos empenhados para que isso aconteça", completou. Apesar das críticas da oposição, Aníbal defende que os parlamentares façam bons debates sobre as medidas, com o propósito de identificar o que é melhor para o país no momento.

“Não se trata de travar, trata-se de fazer bons debates, identificar as matérias relevantes no sentido do Brasil voltar a crescer e o emprego voltar a aparecer”, afirmou.

Promulgada em dezembro do ano passado, a proposta que estabelece um teto para os gastos públicos é a aposta do governo Temer para o controle das contas da União. As mudanças na legislação trabalhista ainda serão enviadas ao Congresso Nacional via projeto de lei. Já a reforma da Previdência deve ser aprovada pela Câmara dos Deputados ainda no primeiro semestre deste ano, segundo o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).



Confira a análise de José Aníbal sobre as matérias de ajuste fiscal já aprovadas ou em tramitação no Congresso:
 




Comentários