Um futuro melhor se constrói nas ações do presente
José Aníbal
José Aníbal
04 de Maio de 2017
"que (...) se cruzem os fios de sol (...) para que a manhã, desde uma teia tênue, se vá tecendo"

(João Cabral de Melo Neto, Tecendo a Manhã)

Um dos grandes desafios da política é mostrar que, em certas conjunturas, medidas duras no presente são a única forma de garantir um futuro melhor. O estadista é justamente aquele que preserva a credibilidade, mesmo que à custa de algum sacrifício momentâneo de popularidade. Tendemos a valorizar o presente em detrimento do futuro. Se essa tendência for levada ao extremo, a sociedade corre sério risco.

O populismo é tentador exatamente por isso: oferece um presente ilusoriamente bom à custa de destruir as bases da prosperidade futura. A Venezuela, com seu cortejo de desventuras, é o exemplo mais saliente desse processo na América Latina. Em 2016, 81% dos venezuelanos viveram abaixo da linha de pobreza. E outro dado espantosamente triste, segundo estudo divulgado pela Academia Nacional de Ciencias Económicas daquele país: 3 em cada 4 venezuelanos perderam em média 8 quilos no ano passado, por pura e simples falta de comida. O bolivarianismo conseguiu a proeza de transformar a fome em pandemia no país que detém as maiores reservas de petróleo no mundo.

No Brasil, felizmente, conseguimos evitar que o lulopetismo continuasse a destruir as instituições e o futuro do País.

Faz um ano que as ruas e as instituições pararam o trem descarrilhado que estava entregue à incompetência proverbial de Dilma Rousseff. O rumo vem sendo corrigido, surgem sinais de recuperação da economia, embora ainda persistam mazelas como o alto nível de desemprego. Muitas das inegáveis melhoras que o País experimentou desde então ficam obscurecidas pelo alcance da destruição que o lulopetismo já havia produzido em sua etapa mais delirante.

A inflação galopante foi domada. De 12% ao ano no final de 2015, ela agora caiu e deverá encerrar 2017 perto de 4%. Uma vitória extraordinária, principalmente para os mais pobres. A taxa de juros vem caindo consistentemente, um requisito indispensável para o aumento do investimento e a retomada do emprego. Tem-se aí mais um exemplo de como os efeitos de políticas corretas demoram algum tempo para aparecer. Sem o árduo trabalho de reduzir a inflação, as bases para o crescimento do investimento e do emprego não estariam lançadas.

Claramente estamos em um ponto de inflexão, ou seja, o pior ficou para trás, mas as boas notícias ainda vêm num ritmo lento e aparecem de forma tênue.
É assim mesmo e não há outro caminho. Cabe ao governo e à sua base de sustentação manterem-se firme no caminho da recuperação das instituições e da economia.

Não são poucos os desafios pela frente. Ao longo da última década, o Estado brasileiro foi quase que totalmente capturado para servir interesses de pequenos grupos, em detrimento da maioria. O muro que corta a Belíndia ao meio, em vez de ser derrubado, cresceu no governo passado.

A previdência, por exemplo, se transformou em um mecanismo perverso de concentrar renda. Enquanto 33 milhões de aposentados do Regime Geral recebem o salário mínimo ou pouco mais, as carreiras do serviço público recebem a integralidade de seus salários da ativa. São menos de 1 milhão de aposentados do setor público que respondem por metade do déficit do sistema. É preciso mexer nisso.

O empreendedor e o pequeno empresário têm de lutar diariamente contra um cipoal de regras burocráticas infindáveis e irracionais e uma estrutura tributária complexa e distorcida. Limpar esse terreno é outra agenda inadiável. O BNDES vai deixando para trás o papel de grande arregimentador do capitalismo de compadrio e se estrutura para ajudar a relançar o investimento sob uma ótica de competitividade.

É preciso ter uma clara compreensão desses desafios. O País não pode esperar. Temos de andar rápido, principalmente porque os efeitos das medidas que vão destravar nosso desenvolvimento não são imediatos. A população está farta de esperar. E com razão.

O Brasil sempre progrediu mais quando os desafios foram maiores. Quando do Plano Real, muitos críticos não conseguiram enxergar o alcance e a dimensão do que estava se gestando ali. Hoje, como ontem, a incompreensão tende a levar à desesperança.

Mas o governo tem rumo e está vencendo, com o apoio do Congresso, as maiores dificuldades do curto prazo. Vamos continuar construindo pontes para que a manhã surja na dimensão que os brasileiros desejam e merecem.

(*) Presidente Nacional do ITV, foi deputado federal, senador e presidente Nacional do PSDB 

Artigo publicado no site Poder360, em 04/05/2017 

Comentários