"Tem sereia no Planalto", por José Aníbal
07 de Janeiro de 2016

Primeiros dias do novo ano. Ministro Jaques Wagner, novo mensageiro da presidência, diz que “não apenas o governo reconhece erros na economia, como está trabalhando para resolvê-los”. Diz também que o PT se lambuzou no poder e que o governo vai barrar o impeachment na Câmara.


O reconhecimento tinha que ser feito por Dilma, humildemente. Afinal, arruinar a economia, impondo enorme sacrifício aos brasileiros, em especial aos mais pobres e aos que vivem do salário médio do país, não é apenas um erro. É crime contra a difícil conquista da estabilidade – a inflação para a população de baixa renda foi a maior ano passado, 11,52% - dos fundamentos da economia, que propiciaram melhoria significativa da renda e de sua distribuição desde o Plano Real.


Ao contrário, a autocrática e mentirosa presidente publica um artigo na Folha de São Paulo (01/01/16) tentando inculpar a oposição, tagarelando sobre devaneios em terra de pesadelos. Nada sobre como sair da crise. Fato é que Dilma, depois dos cortes a programas sociais ao longo de 2015, começa 2016 cortando o reajuste do Bolsa Família!


O trabalho para “resolver os erros” começa pela nomeação do novo ministro da Fazenda, Barbosa, um dos mentores da política econômica desastrosa de Dilma. O tal cidadão não tinha convicção antes ou não tem agora. É um mero oportunista em busca de agrados ao sistema de poder. Aliás, uma marca do PT. Hoje sabemos o quanto Lula é servil para merecer a simpatia de grandes empresários nacionais, sempre ávidos para receber as prebendas do Estado - como mostram as operações da Polícia Federal (Lava Jato, Zelotes, Acrônimo), os empréstimos suspeitos e subsidiados do BNDES, a fraude no Postalis e em outros fundos de pensão... - à custa de surrupiar centenas de bilhões de reais do patrimônio público.


O reconhecimento da lambança em que mergulhou o PT desde Lula aparenta ser um ato de coragem do novo mensageiro. Contraria o petismo em transe. Mas não passa de reconhecimento daquilo que os brasileiros estão cansados e enojados de saber. Jogo de cena. Pior, sabemos que nada mudou até agora. É sintomático que o mensageiro acrescenta que vão evitar o impeachment na Câmara. Com quais argumentos? Os parlamentares que porventura forem sensibilizados – sem considerar os petistas e seus satélites que estão aquinhoados desde sempre – o serão pelo entusiasmo com a credibilidade de Dilma e seu grande potencial para fazer o Brasil voltar a crescer? Ou será pela estimulante avaliação de seu governo e do consequente impacto positivo no desempenho dos aliados nas eleições deste ano? Ou será que a moeda de troca para tentar dobrar a Câmara – e levá-la a um voto contra a vontade dos brasileiros - será mesmo moeda?


O mensageiro Wagner vai na mesma direção de Rui Falcão, presidente do PT. Os dois, mais Dilma e Lula, estão atordoados pelo desastre sem fim que produziram. Mas o poder para eles é tudo. Mais caem, mais confundem, mentem, e, esquizofrenicamente, defendem o que é impossível com Dilma e o PT: crescimento, emprego, juros baixos. Soa como o canto da sereia, aquele que fascina os pescadores pela sua beleza, e depois os conduz à morte. Os brasileiros estão vacinados quanto à pescaria em águas turvas.


(*) Presidente nacional do ITV


Artigo publicado no Blog do Noblat, em 07/01/2016

Comentários