“Feliz Natal”, por José Aníbal
23 de Dezembro de 2015
Chegou o Natal. Independentemente da religião e afora os apelos comerciais, é um momento de reflexão, renovação e renascimento. Sob essa inspiração, partilho com o leitor deste espaço minha mensagem que se presta a uma reflexão sobre a esperança quanto à volta do virtuoso caminho do crescimento econômico e social.

Para usar um expediente antigo resgatado por episódio recente da nossa política, decidi registrar minha mensagem numa carta, uma carta a Noel."Prezado Noel, Meu país vive um estado de emergência. Mal completamos o primeiro ano do segundo mandato da presidente Dilma, e ela enfrenta o destino como uma roleta russa. Tem o mandato ameaçado por um processo de impeachment e um processo judicial em que é acusada de fraude nas contas eleitorais. Ela e os seus dizem que impeachment é golpe. Na Folha de S.Paulo do dia 20/12/2015, Vinicius Torres Freire diz que pedalar foi só uma das manobras da presidente (aliás, ela parou de andar de bicicleta). Diz ele - e prova - que ela gastou sem ter autorização legal, pegou empréstimo de banco público e não registrou passivos. Violou artigos da Constituição, da Lei Orçamentária e da Lei de Responsabilidade Fiscal. Uma violadora. Quanto ao notório uso de propinas na campanha de 2014, o TSE vai julgar. Sobre a corrupção que infesta a administração do Estado, não vou nem comentar, tenho certeza de que já chegaram ao Polo Norte as descobertas da Operação Lava Jato, que revelou a existência do maior esquema de corrupção do mundo descoberto até o momento.

Sabe, Noel, a derrocada de Dilma, na verdade, é a gota d´água de um projeto de poder que o PT tentou implantar e que deu certo enquanto conseguiu colher frutos do equilíbrio econômico que já encontrou estabilizado no país quando Lula assumiu o Planalto, em 2003. A fraude petista começou a ruir quando a economia e a dinâmica da própria sociedade passaram a demandar as mudanças que precisariam ter sido feitas quando a estabilidade da moeda permitia e recomendava, pelo cenário internacional, que esse novo ciclo se iniciasse - o que não foi feito. Mas não adianta chorar sobre o leite derramado! Precisamos falar de projetos que respondam a milhões de famílias órfãs de um futuro que lhes foi prometido, mas não aconteceu. Falar aos nossos milhões de trabalhadores que engrossam o exército de desempregados, aos milhões de jovens que planejavam dedicar mais tempo aos estudos e que, encurralados pela crise sem precedentes que vivemos, agora foram carimbados como a "geração nem-nem": nem conseguem estudar, nem conseguem trabalhar.Mas como discutir o futuro se não temos presente?

Pois é, Noel, antecipando-se a tua visita, alucinada pelo poder, a presidente nos "presenteou", às vésperas do Natal, com um novo Ministro da Fazenda. Barbosa é seu nome, e nada tem de novo. É o parceirão de Dilma na tal Nova Matriz Econômica. Esta que nos levou à ruína. É mais uma encenação para ganhar tempo contra a democrática ação da sociedade e das instituições pelo impedimento de Dilma.

A oposição tem, sim, um programa para o país. Seria vitorioso, não fosse o estelionato eleitoral. No Instituto Teotônio Vilela, centro de elaboração e formulação do PSDB, temos realizado debates e reuniões técnicas para atualizar informações e análises sobre caminhos para sair da crise. É a agenda positiva, que também é discutida por institutos e fundações de outros partidos de oposição. O fundo do poço está próximo e não temos muito mais tempo a perder. Vai ser preciso colocar o país nos trilhos.

Então, Noel, minha expectativa é que, com sua colaboração, possamos expandir esse alerta e, ao mesmo tempo, mobilizar a sociedade para, junto com as instituições, tirarmos o país da emergência.Conto com você. Feliz Natal!"Artigo publicado no Blog do Noblat, em 23/12/2015

Comentários