"Vencedores", por Aécio Neves
07 de Outubro de 2015
Não há milagre em gestão pública. Planta-se hoje para colher lá na frente, desde que tudo seja feito com a devida seriedade e responsabilidade. O que ocorre na área de educação em Minas é emblemático dessa verdade. Os dados divulgados neste mês pelo Ministério da Educação, com os resultados da Avaliação Nacional de Alfabetização realizada em 2014, confirmam os avanços alcançados pela educação pública em Minas no período de 2003 a 2014, quando o estado esteve sob a administração do PSDB e de nossos aliados. Nossos alunos do 3º ano do ensino fundamental foram os melhores do país em leitura e em matemática, e estão em quarto lugar em escrita.

Esses resultados, infelizmente, não são a regra no país – basta dizer que em 20 estados brasileiros, mais da metade das crianças ficou com desempenho abaixo de 50% no item leitura. É um número muito triste quando se tem em conta a importância da educação para o futuro dessas crianças e para o próprio país. Esses novos resultados confirmam outros indicadores nacionais, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), em que Minas lidera o ranking de melhor desempenho nas séries iniciais e finais do ensino fundamental, e na Olimpíada de Matemática das Escolas Públicas, em que, há vários anos, ocupamos o primeiro lugar no ranking de medalhas da competição, tanto no número total quanto no número de medalhas de ouro.

Se há algo do qual me orgulho muito em minha vida pública é do esforço que fizemos para avançar na área da educação em Minas. Entre outras ações inovadoras, enfrentando muitas dificuldades, fomos o primeiro estado no país a implantar o ensino fundamental de nove anos, garantindo o acesso de crianças aos 6 anos na rede pública. A partir desse vieram outros avanços, novos programas. Investimos no apoio aos professores, criamos uma escola unicamente para promover a formação e capacitação de educadores e gestores, implantamos o maior programa de ensino profissionalizante gratuito já feito em Minas. Em 12 anos, os investimentos em educação tiveram aumento de 214%.

De longe, não é apenas uma questão de mais recursos, mas de maior competência aplicada com foco e prioridade. Resultados em educação dependem de políticas públicas consistentes e de longo prazo. O ensino no Brasil ainda contribui pouco para a expansão da economia. De modo geral, o país coloca jovens com pouco preparo no mercado de trabalho, o que impacta diretamente a nossa competitividade no cenário global. Temos ainda muito a avançar, especialmente na vinculação da educação a uma estratégia de desenvolvimento.

No plano federal, o governo só anuncia cortes e queda de investimentos. Em Minas, já aprendemos que se há recursos limitados é preciso gastar melhor. Sem mágica, sem promessas vazias que não podem ser cumpridas, sem demagogia, demos um salto que o país todo reconhece. Os avanços que empreendemos na educação de Minas em 12 anos de gestão foram feitos com inovação, coragem e comprometimento com os desejos da sociedade. E é com muita alegria que mais uma vez cumprimento nossos alunos, seus familiares e toda a comunidade escolar por mais essa vitória, que pertence a todos os mineiros.
(*) Senador por Minas Gerais, presidente nacional do PSDB


Artigo publicado no jornal "Estado de Minas", em 03/10/2015

 

Comentários