"Questão fiscal: todo mundo em crise? Não.", por Mansueto Almeida
25 de Novembro de 2014

Nas últimas semanas o governo vem enfatizando que vários países da Europa têm déficit primário maiores do que o do Brasil e, assim, a deterioração das contas públicas seria um fenômeno mundial que atingiu vários países devido aos efeitos da crise financeira no crescimento dos países.


Será que isso é verdade? Não. O melhor indicador para olharmos não é primário mas sim o resultado nominal. O Brasil, como tem juros muito alto, precisa de um primário maior que outros países para estabilizar a sua divida em relação ao PIB. Assim, vamos olhar para o resultado nominal.


Nesta comparação dois pontos são importantes. Primeiro, a deterioração fiscal de um grupo de países da Europa (Reino Unido, Itália, França, Portugal e Espanha) foi maior de 2007 a 2010. Nos últimos anos esses países vem reduzindo rapidamente o déficit nominal e se espera que esse processo continue pelos próximos anos como se observa abaixo nos dados do FMI.


Déficit Nominal Países Selecionados Europa – % do PIB


Deficit nominal


Fonte: FMI. 2014* = projeção FMI de outubro de 2014.


Segundo, este não é o caso do Brasil. No nosso caso, o nosso déficit nominal não piorou muito no auge da crise, em 2009, mas piorou bastante neste ano e tudo indica que poderá ainda ser pior em 2015. O Brasil está perigosamente caminhando para um déficit nominal na faixa de 5% a 6% do PIB, o mesmo déficit que tínhamos em 2002 e 2003.


 Déficit Nominal do Brasil – 12 meses – % do PIB – Nov/2002-Set/2014


def nominal


Fonte: Banco Central


A nossa forte deterioração fiscal é fruto de uma combinação perversa de gasto público crescente em relação ao PIB e aumento de juros para combater a inflação. Se o governo prosseguir com a expansão das despesas e o BACEN com o aumento dos juros terá início um debate sobre dominância fiscal.


Assim, quanto mais rápido o governo sinalizar um plano sério de recuperação do primário melhor será para a economia e para todos nós. Quanto maior a leniência do governo com o fiscal maior será a chance de pagarmos mais juros, aumentar ainda mais a dívida publica e termos crescimento médias inferior a 1,5% ao ano ao longo dos próximos quatro anos. A bola está com o governo que, por enquanto, fez apenas gol contra.


Artigo publicado no Blog do Mansueto

Comentários