“Últimas páginas da Guerra Fria”, por José Aníbal
16 de Abril de 2015

A reconciliação entre EUA e Cuba, ainda que cheia de desconfianças, é a boa notícia política desse 2015 até aqui melancólico. A imagem de Obama e Raúl Castro apertando as mãos na cúpula das Américas, embora visivelmente carente de naturalidade, é o retrato da intransigência que foi longe demais.


Cuba foi o fetiche político de grande parte da minha geração. A proeza histórica da revolução cubana, ao fermentar heroísmo popular e libertação, fecundou o imaginário de toda uma época. E tudo isso em meio à era de ouro das ditaduras latino-americanas. Daí o romantismo e condescendência em relação a Cuba.


Nessa narrativa truncada entre os dois países, todavia, não há anjos. O passado de ingerência americana em Cuba, seguido de episódios lamentáveis, como a invasão da baía dos porcos e o estrangulamento econômico da ilha, são manchas indeléveis na história americana. Pelo despropósito e pela desproporção, são indesculpáveis.


Por outro lado, a revolução foi implacável com as liberdades civis, dizimou oponentes, caçou dissidentes, baniu a democracia e fechou de vez o país ao mundo. Basta ver como chegou ao século 21: pobre, amordaçada e sob uma ditadura com ares dinásticos. A mística virou pó. Só vive nos devaneios saudosistas dos autoritários.


Se é fato que as batalhas entre as potências da Guerra Fria foram travadas na periferia, como na Coreia, no Vietnã e no Afeganistão, Cuba foi a exceção. A crise dos mísseis, de 1963, levou a histeria do pesadelo atômico aos lares americanos, que jamais perdoaram a afronta. O erro estratégico de Cuba acabou por legitimar as covardias posteriores.


Dali em diante, a ilha deixou de ser assunto de política externa e passou a ser tema de apaixonados debates internos nos EUA, o que bloqueou a distensão. Afinal, qual presidente iria empenhar seu capital político num cabo de guerra interno para resolver um tema tão irrelevante para os destinos do país? Obama assumiu a causa. Não tem mais reeleição e faz o melhor para as Américas.


Depois de quase seis décadas de fantasmagorias dignas de um romance de John Le Carré, com seus consultores militares, espiões e sabotagens, o desfecho dessa história foi cruel com Cuba. Enquanto os dois países travavam a guerra de propaganda nos anos 1970 e 1980, o mundo mudava profundamente. Caiu o muro, ruiu a utopia, veio a penúria.


As imagens que chegavam de Cuba registravam a dramática diáspora dissidente em suas carroças marítimas a caminho do desastre. Depois veio a miragem da redenção pelo turismo, o boom da prostituição, o mercado negro do dólar paralelo. Agora há a grande desesperança da estagnação: pobreza, desabastecimento, gente muito capaz sem trabalho ou horizonte.


A abertura não é só uma questão de liberdade, democracia ou economia. Ela é fruto da aproximação irremediável dos povos. Vivemos o mundo das trocas colaborativas, onde os interesses e afinidades se conectam independentemente das línguas, culturas e distâncias. Para o bem ou para o mal, nenhum povo é uma ilha. A conexão é irresistível.


Pensei em Eduardo Galeano, escritor que nos deu tanto alento nos anos de chumbo. Como ele, creio que fomos ingênuos ao acreditar na história de que a espoliação imperialista bastava para explicar os fracassos de um povo. Não basta. O que explica o sucesso de um país, ao meu ver, é o grau de sua adesão à lei – com destaque para a liberdade de empreender com regras claras – e à democracia. Que assim seja. Viremos a página.


(*) Senador suplente pelo PSDB-SP. Foi deputado federal e presidente nacional do PSDB.


Artigo publicado no Blog do Noblat, em 15/04/2015.

Comentários