"Crise do PT dá oportunidade ao PSDB para reencontrar sua identidade", por Sérgio Fausto
05 de Agosto de 2015
Fundado em 1988, o PSDB é o mais jovem entre os três principais partidos brasileiros. Conta hoje com o segundo maior número de prefeituras, só atrás do PMDB, cinco governadores de Estado, empatado com o PT em segundo lugar, e a terceira maior bancada na Câmara e no Senado. Das seis últimas eleições presidenciais, venceu duas e disputou o segundo turno nas outras quatro. Na eleição de 2014, seu candidato perdeu para a presidente Dilma Rousseff pela diferença de apenas três pontos percentuais. Nas pesquisas de opinião realizadas recentemente, Aécio Neves aparece em primeiro lugar nas intenções de voto para as próximas eleições presidenciais. A sigla dispõe ainda de outros candidatos competitivos para o pleito marcado para 2018, entre eles o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador paulista José Serra. Depois de treze anos fora do governo federal, o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) se mantém como o núcleo central do polo de oposição ao PT.
Visto pelo prisma do quadro desenhado acima, o partido não pode deixar de ser considerado um êxito político, não apenas pela sua trajetória passada, mas também pelas possibilidades que se abrem para o futuro, no momento em que seu principal adversário vive uma crise existencial sem precedentes.
Apesar disso, em aparente paradoxo, sobram críticas em relação ao partido dos tucanos. Elas decorrem de duas expectativas que se sobrepuseram entre seus eleitores e simpatizantes nos últimos 12 anos de dominância do PT no plano federal. Cobram do PSDB maior coerência programática e maior contundência oposicionista. Ambas as expectativas geraram frustrações que se acumularam ao longo do período, apenas atenuadas depois da apertada derrota nas eleições presidenciais de outubro último.
Leia a ÍNTEGRA do artigo, publicado no caderno "Ilustríssima" do  jornal "Folha de S.Paulo", em 02/08/2015
(*) Cientista político, superintendente executivo da Fundação Instituto FHC (iFHC)

Comentários