23 de NOV. de 2016
Saco sem fundo
23 de Novembro de 2016

Estados se tornaram multiplicadores da crise econômica. Com as finanças em ruínas, terão de aceitar agora ajustes que refutaram há poucos meses, num tempo precioso desperdiçado


Os estados brasileiros se tornaram multiplicadores da crise. Até pouco tempo atrás, junto com os municípios, ajudavam a contrabalançar a gastança do governo federal. Agora, colaboram para potencializar e espalhar a recessão resultante da gestão perdulária de que o país foi vítima na última década.


Estamos vemos pipocar pelos estados a mesma ruína que caracterizou a administração federal sob o patrocínio do PT. O exemplo mais gritante - pelo menos até agora - é o do Rio de Janeiro, onde falta dinheiro para tudo e sobram resistências das corporações para impedir qualquer tipo de necessária medida saneadora. Mas está longe de ser o único: o Rio Grande do Sul também já se declarou em situação de calamidade.


Neste sentido, a ajuda anunciada ontem pelo governo federal vai servir apenas como paliativo para a condição de penúria em que se encontram as finanças de muitos estados. É pouco remédio para um saco sem fundo que só fez crescer no passado recente - entre 2012 e 2015, as despesas com pessoal aumentaram quase 12% acima da inflação, segundo estudo publicado pelo Tesouro Nacional em outubro.


A situação piorou bastante com o patrocínio de Brasília a operações de crédito e contratação de dívidas - cuja proporção no PIB se multiplicou por sete desde 2011, segundo o Valor Econômico, com base em cálculos do FMI - pelos governadores, de concessão de subsídios e isenções fiscais.


Na maior parte dos casos, o dinheiro novo que entrou nos cofres dos estados acabou servindo para inchar a folha de servidores, e não para investir e melhorar o atendimento à população - mas há também exceções, como Paraná, São Paulo e Goiás, dos tucanos Beto Richa, Geraldo Alckmin e Marconi Perillo; e o Espírito Santo, como mostra a Folha de S.Paulo em sua edição de hoje.


Além de gastos correntes inchados, os governos estaduais estão tendo de se ver às voltas com uma bomba muito mais explosiva: o descompasso entre receitas e benefícios pagos em seus sistemas de previdência. Também de acordo com o Tesouro, este buraco foi de R$ 77 bilhões no ano passado, com expansão de quase 60% em apenas três anos.


Diante desta situação, os estados terão de engolir agora obrigações que refugaram e conseguiram barrar na Câmara. Haverão de aceitar limitar gastos, reformar seus sistemas de previdência, suspender a concessão de reajustes salariais, abrir mão de contratar mais servidores e de criar novos cargos. Terão de fazer tudo o que não consentiram - a maior parte deles, não todos - na rodada de renegociação da dívida de apenas três meses atrás.


O episódio deixa de lição a necessidade de maior firmeza de todos os entes federados no enfrentamento da crise, e não só do governo federal. Perdeu-se tempo precioso com a resistência a arrumar as contas nos governos subnacionais, o que só faz a fatura ficar mais pesada para toda a sociedade. A mudança em direção a gestões mais responsáveis do ponto de vista fiscal é inevitável e urgente, para o país e para os estados.

- Carta de Formulação e Mobilização Política Nº 1483 

Comentários