16 de JAN. de 2017
Alívio Imediato
16 de Janeiro de 2017

 


Redução dos juros é - junto com concessões, privatizações e uma agenda microeconômica - uma das medidas de efeito mais rápido com potencial para reativar a economia e estancar a recessão

A pancada que o Copom deu nos juros na semana passada abre uma avenida para que o país reencontre o caminho do crescimento econômico. Taxas menores, mais próximas do patamar prevalecente no resto do mundo, podem funcionar como alívio imediato até que as reformas comecem a decolar. 


A redução, de 0,75 ponto percentual, foi a maior desde abril de 2012 e levou o juro básico a 13% ao ano. O Copom, porém, escancarou a porta para novos cortes, provavelmente de igual ou maior magnitude, nas reuniões futuras - a próxima acontece em 22 de fevereiro. Prometeu, segundo informou na nota divulgada após a reunião, "intensificação da flexibilização monetária em curso", até porque a recessão segue mais brava que o esperado.


Foi a terceira redução seguida da Selic, após quatro anos sem baixas. Os cortes só se tornaram possíveis porque a inflação, que ameaçou sair de controle em razão da leniência do governo petista, arrefeceu, ao mesmo tempo em que a economia esfriou acima do previsto. Além disso, a perspectiva da retomada da disciplina fiscal também tirou das costas do Banco Central o peso de tentar segurar sozinho os preços. 


A derrocada do PT abriu espaço para que o controle da inflação se tornasse mais bem sucedido. Também ficamos sabendo na semana passada que o índice oficial fechou 2016 em 6,3%, dentro do limite de tolerância estipulado pelo regime de metas, e uma façanha quando se considera que um ano antes o IPCA havia atingido 10,7%. Já se trabalha com a hipótese de inflação na meta neste ano. 


O efeito analgésico e anabolizante dos juros mais baixos na economia se faz sentir com maior intensidade nas contas públicas e nos investimentos privados - estes, porém, num efeito mais lento e moderado. 


Taxas menores significam menos dispêndios do governo com a rolagem da sua dívida - estima-se economia anual de pelo menos R$ 16 bilhões só com o corte da semana passada. Também funcionam como indutor para que o dinheiro privado circule, gerando mais negócios, emprego e renda, e não permaneça parado, engordando em bancos. 


O corte dos juros chega em boa hora, principalmente porque o atual ciclo de redução não repete o vício do voluntarismo que marcou o período de quedas mais recente, no início do governo Dilma Rousseff. Diante da terra arrasada legada pelo PT, é uma das medidas com potencial para reativar a economia e estancar a recessão. Outros meios de se atingir tal objetivo são as concessões e privatizações, além de uma agenda na microeconomia que o atual governo já começou a adotar, como a liberação de contas inativas do FGTS.


Agora, a depender da condução da agenda reformista, há claras chances de a baixa ser duradoura. Quem sabe o Brasil finalmente deixe de ser uma jabuticaba em matéria de política monetária - ainda temos, de longe, o maior juro real do mundo, em torno de 8% ao ano - e o alívio se torne permanente. 


- Carta de Formulação e Mobilização Política Nº 1504 

Comentários