17 de NOV. de 2014
Dilma em sua nova fantasia (Carta 1033)
17 de Novembro de 2014
Carta de Formulação e Mobilização Política,17 de novembro de 2014, No. 1033

Dilma Rousseff sentiu cheiro de oportunidade no mar de lama que assola a Petrobras. Viu chance de transformar ameaça em fato positivo. Enxergou na crise a possibilidade de envergar uma nova fantasia: desta vez, a presidente que já foi gerentona e faxineira – sempre de mentirinha – agora quer posar de justiceira.

O país está mergulhado no maior escândalo de corrupção de que se tem notícia. Perto do ‘petrolão’ e seus bilhões desviados de cofres públicos, o mensalão parece brincadeira de criança. Da crise que levou ao impeachment de Fernando Collor de Mello, mais de duas décadas atrás, nem se fala: soa como conto da carochinha.

Nunca se sabe aonde a quadrilha que vem assaltando o país nestes últimos anos é capaz de ter chegado. Na toada atual, o que é certo é que o escândalo da vez é sempre pior que o anterior e a crise presente pode ser sempre menos grave do que a que ainda virá. O buraco parece ser sempre mais embaixo.

As cifras são assombrosas: segundo o TCU, os desvios devem ter somado R$ 3 bilhões. Para se ter noção, estima-se que o mensalão, que levou a cúpula do PT à cadeia (numa passagem, infelizmente, muito mais breve do que o merecido), movimentou uns 5% disso.

No vértice do esquema de corrupção que assola a Petrobras – mas que também pode ter se estendido a outros setores, com o elétrico, conforme noticia hoje O Globo – está sempre o PT, está sempre o partido da presidente da República. De toda a montanha de dinheiro roubado, 2/3 iam para petistas.

Mas Dilma Rousseff quer nos fazer crer que não tem nada a ver com isso. Ou melhor, até tem, mas como quem está mandando prender e arrebentar. Conta outra... Seja com seus exageros, seja quando vem sendo sangrada, a Petrobras foi sempre o cerne do governo da presidente até aqui. Dilma e a estatal têm tudo a ver. Para o bem e para o mal.

De Brisbane, a presidente afirmou que “nada disso é estranho para nós”. O que eclode agora é fruto, segundo ela, da “quantidade imensa de escândalos que não foram levados a efeito” anteriormente. Bom, dito por quem não chegou ontem ao governo isso parece ser uma confissão de irregularidades. E é.

No figurino de justiceira, Dilma terá de investigar-se a si mesma, na condição de ministra à qual a Petrobras estava subordinada, presidente do conselho de administração da companhia em seu período mais tenebroso e, finalmente, presidente da República que manteve gente suspeita nos mesmos cargos durante alguns anos.

Não adianta a presidente da República tentar descolar-se de um governo que há quatro anos é dela; de uma estatal que há 12 anos está, em diferentes situações, sob tutela dela; de sucessivos escândalos que têm no partido dela o vértice. A fantasia de justiceira pode até cair bem, mas só no Carnaval.

Comentários