03 de JUL. de 2014
A indústria ladeira abaixo (Carta 949)
03 de Julho de 2014
Carta de Formulação e Mobilização Política, 03 de julho de 2014, No. 949

Até algum tempo atrás, a indústria brasileira se equilibrava numa gangorra entre altos e baixos. Ia mal, mas entre um tombo e outro respirava. Agora, a via é de mão única: ladeira abaixo. Só não dá para saber ainda onde está o fim da ribanceira.

Ontem, o IBGE divulgou os números referentes à produção industrial brasileira em maio. Pelo terceiro mês consecutivo, o setor encolheu. A queda aconteceu tanto na comparação com o mês anterior quanto em relação ao mesmo mês do ano passado.

Desde o período entre agosto e outubro de 2011, a indústria não registrava três baixas seguidas. Mas tudo indica que vêm mais quedas pela frente. A julgar pelos primeiros indicadores antecedentes – como consumo de energia, vendas de varejo e estoques acumulados – deve ter havido nova retração no setor em junho.

Aos números de maio: queda de 0,6% em relação a abril; de 3,2% na comparação com maio de 2013 e de 1,6% quando cotejado o período de janeiro a maio com os cinco primeiros meses do ano passado. Em 12 meses, a indústria ainda acumula alta de 0,2%, que deve virar fumaça em breve.

Decompondo-se os resultados, percebe-se que, de um lado, o consumidor parou de comprar bens de maior valor (os chamados duráveis), como automóveis. De outro, os empresários puxaram o freio de mão dos investimentos, esfriando a produção de máquinas e equipamentos, que caem quase 6% no acumulado neste ano.

Dos dois lados falta um elemento essencial para que uma economia funcione a contento: confiança. O país parece em compasso de espera aguardando para ver o que a eleição presidencial nos reserva. Se prevalecer mais do mesmo, o caldo da economia corre risco de entornar de vez.

A indústria brasileira produz hoje nos mesmos níveis de 2008. Ou seja, lá se vão seis anos perdidos – nos últimos oito meses, desde outubro de 2013, a retração acumulada já chega a 4,5%. É muito tempo para um país como o Brasil – que não tem mais tempo a perder – desperdiçar.

A crise da indústria brasileira se faz sentir na pele. Nos últimos três anos, 230 mil empregos foram eliminados no setor. Só em maio passado, 28 mil vagas de trabalho industrial foram fechadas, segundo dados do Caged.

Já se dá de barato que a produção da indústria brasileira diminuirá neste ano. O acumulado de desempenhos ruins deságua no resultado geral da economia: com o setor industrial em crise e outros segmentos, como consumo e varejo, em ritmo de paradeiro, o PIB tende a encolher no segundo trimestre.

O governo parece atônito. Limita-se a lançar medidas pontuais que ora já não produzem sequer cócegas. Na indústria, por exemplo, foram perto de duas dezenas de pacotes e pacotinhos apenas na gestão Dilma – o mais recente deles a suspensão da alta do IPI de automóveis e a perenização da desoneração das folhas de pagamento de alguns setores. O resultado é o que estamos vendo: nenhum.

A triste realidade é que o produto nacional tornou-se caro, perde mercado interno e não consegue mais avançar no exterior. A sufocante carga tributária e a incúria com nossa infraestrutura – hoje em frangalhos, também em razão da longa e eleitoreira resistência ideológica do atual governo a investimentos privados – minaram ainda mais nossa capacidade de investir e competir.

Além disso, o governo petista fez uma opção equivocada, calcada no aumento de consumo e voltada preferencialmente para o mercado interno. Demos as costas para o mundo e nos alijamos de cadeias globais de produção. A saída é outra: é mais abertura, maior integração e mais comércio com o resto do globo. O isolamento imposto ao país está matando a indústria brasileira.

Comentários