03 de OUT. de 2014
A hora e a vez de Aécio Neves (Carta 1004)
03 de Outubro de 2014
Carta de Formulação e Mobilização Política, 03 de outubro de 2014, No. 1004

Os eleitores brasileiros vão às urnas no próximo domingo. É o momento maior da democracia. É a hora de eleger quem vai comandar o país pelos próximos quatro anos e também de escolher nossos representantes no Legislativo. Chegou a vez de mudarmos o rumo da história.

Aécio Neves chega ao pleito de domingo empatado com Marina Silva na disputa pela presidência da República. A diferença entre os dois, que era de 20 pontos na primeira semana de setembro, é hoje de apenas três, segundo pesquisa do Datafolhapublicada ontem. Ou seja, estatisticamente deixou de existir.

A distância entre os dois caiu em praticamente todas as regiões. Em alguns estratos de renda, como os acima de cinco salários mínimos, o candidato tucano já lidera a corrida presidencial. Parece claro que, à medida que foi ficando evidente que Aécio é quem tem condições de derrotar o PT, votos que em algum momento chegaram a ir para Marina voltaram para ele.

Nas simulações de segundo turno contra Dilma Rousseff, Aécio e Marina alcançam agora a mesma pontuação. No entanto, além de estar em forte ascensão, o tucano tem maior potencial de crescimento, mostra o Datafolha.

Segundo as simulações do instituto, Aécio tem 41% de intenções de voto e 27% de eleitores potenciais numa segunda rodada. No caso de Marina, o percentual potencial é menor. Nesta métrica, Aécio também supera a adversária do PT: na soma entre intenções e potencial, Aécio pode atingir 68% no segundo turno; Dilma poderia chegar a até 59%.

Esta é uma eleição cheia de reviravoltas. Uma eleição que muitos, talvez apressadamente demais, deram como resolvida muito tempo antes de o eleitor efetivamente começar a pensar em decidir seu voto – apenas 15 dias atrás, o Ibope ainda mostrava 47% dos entrevistados com “pouco” ou “nenhum” interesse nas eleições.

Aécio sempre disse acreditar que chegaria o momento da “onda da razão”, numa eleição repleta de maremotos. O movimento que empurra o tucano para o segundo turno está chegando na melhor hora: a da decisão. Sua energia tende a se propagar com mais força ainda no segundo turno, levando Aécio à vitória em 26 de outubro.

O que sempre foi e continua perene é o sentimento pela mudança que orienta a vontade dos brasileiros nesta disputa. E aos poucos o eleitor foi vendo que quem tem as melhores condições para levar adiante a onda da mudança é o candidato do PSDB. No domingo, é chegada a hora e a vez de fazer valer as razões e as emoções que levam Aécio Neves a ser o futuro presidente que o Brasil quer ter.

 

 

Comentários