27 de JAN. de 2016
Agora é que é ele
27 de Janeiro de 2016

Lula envolveu-se de corpo e alma na montagem do esquema corrupto que, desde o mensalão, desvia dinheiro do povo brasileiro para financiar o projeto de poder do PT


Carta de Formulação e Mobilização Política, 26 de janeiro de 2016, Nº 1290


Luiz Inácio Lula da Silva está no centro das atenções. Não pelas suas qualidades, como ele acha que merece. Mas pelas crescentes suspeitas de que tornou seu governo um balcão de negócios e, fora dele, atuou de maneira incessante para transformar dificuldades em facilidades e lotear o Estado brasileiro para os amigos do rei.


Lula está a um passo de ser denunciado pelo Ministério Público por crime de ocultação de patrimônio. O promotor encarregado da investigação tem certeza de que um tríplex de frente para o mar em Guarujá (SP), avaliado em R$ 2,5 milhões, é um mimo da Construtora OAS ao ex-presidente, segundo a edição da revista Veja desta semana.


A cada passo dado pela Justiça, pela polícia ou pelas nossas instituições de fiscalização e controle, como o MP ou o TCU, mais claro fica que o líder-mor dos petistas envolveu-se de corpo e alma na montagem do esquema corrupto que, desde o mensalão, desvia dinheiro do povo brasileiro para financiar o projeto de poder do PT.


Além do tríplex, Lula também teria sido agraciado com benfeitorias em um sítio que possui em Atibaia, no interior paulista. Assim como no Guarujá, o agrado coube à OAS, cujo ex- participação em crimes investigados no âmbito da Operação Lava Jato.


Mas a lista de casos duvidosos envolvendo Lula ou algum de seus familiares é muito mais extensa. Uma das frentes de investigação são operações financiadas pelo BNDES no exterior, alvo de CPI na Câmara. Segundo o que se apurou até agora, Lula era especialista em “flexibilizar exigências” para que o dinheiro do contribuinte brasileiro irrigasse negócios suspeitos de seus compadres lá fora, como mostra o Valor Econômico.


Um destes negócios (a aquisição de blocos de petróleo em Angola) pode ter rendido propina suficiente para ter bancado metade do custo da campanha à reeleição de Lula em 2006. Há, ainda, as transações envolvendo o pecuarista José Carlos Bumlai, amigão do peito do ex-presidente, que recentemente admitiu com todas as letras que captava dinheiro sujo para o PT.


Mas tem muito mais. Tem a compra de medidas provisórias para favorecer empresas automobilísticas. E agora também a suspeita de ligação entre o recebimento de R$ 2,5 milhões por parte do filho de Lula, Luis Cláudio, e o acordo para a fabricação de caças suecos da Saab no Brasil, conduzido pela FAB. Interrogado no início do mês sobre isso, Lula, mais uma vez, disse que nada sabia.


Para quem se diz o mais honesto dos mortais, Lula tem uma ficha corrida extensa demais para ser explicada. Ele acha que, assim como durante boa parte de sua trajetória política, conseguirá se livrar das acusações no gogó. É melhor ir colocando as barbas de molho, porque a hora de seu acerto de contas com a Justiça chegou. Agora é que são elas.

Comentários